• 26 de maio de 2022 20:53

61 Brasilia

Portal de Notícias de Brasília

Valeria Souza

Vítimas do Holocausto recebem homenagem

Advertisement

Vítimas do Holocausto recebem homenagem

Embaixador de Israel participa de sessão solene na Câmara Legislativa“A palavra Holocausto nos remete a um dos períodos mais bárbaros e sombrios da humanidade. Seis milhões de judeus, ao lado de outros inúmeros cidadãos, foram brutalmente assassinados. Um terço de nossa população foi aniquilada”. Disse, em seu discurso, o embaixador de Israel, Yossi Shelley, durante a sessão solene da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), realizada na noite de quarta-feira, 28, em homenagem ao Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

O objetivo da solenidade foi destacar a importância do ensino do Holocausto para as gerações futuras e condenar toda e qualquer manifestação de incentivo à perseguição, ao ódio e a violência. “Apesar dos anos de perseguição, o povo judeu escolheu se levantar. Levantamos-nos e, em 1948, construímos o Estado de Israel”, afirmou o embaixador. “Também escolhemos lembrar, nunca esquecer e trabalhar para que a história nunca mais se repita. E para que isto aconteça, precisamos valorizar a Educação, falar constantemente sobre o holocausto e explicar sobre as atrocidades às futuras gerações”, prosseguiu.

O Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, celebrado em 27 de janeiro, foi instituído pela resolução 60/7 da Assembleia Geral das Nações Unidas. A data marca a liberação do maior campo de extermínio nazista, Auschwitz-Birkenau, há 73 anos.

Yossi Shelley destacou que além de ouvir e entender sobre o trágico acontecimento é essencial questionar. “Manter vivas as lições do Holocausto não cabe apenas aos governos ao redor do mundo, mas a cada um de nós como cidadãos. Todos temos responsabilidades mútuas em uma escala global”, acredita.

Ministro de Ciência e Tecnologia de Israel, Ofir Akunis.

Dentre os embaixadores e autoridades presentes à solenidade estava o Ministro de Ciência e Tecnologia de Israel, Ofir Akunis, que na ocasião disse que o Estado de Israel continuará a ser um testemunho vivo da vitória da humanidade sobre o regime nazista e continuará a luta com os aliados do mundo todo contra os que negam o Holocausto.

Já o presidente da Câmara Legislativa do DF, Joe Valle, disse que é inadmissível que pessoas morram por causa da intolerância religiosa, ódio e violência contra comunidades.

Velas– Durante a solenidade, foram acesas várias velas em homenagem às vítimas do Holocausto pelos embaixadores ou representantes das embaixadas em Brasília de Israel, Polônia, Canadá, Alemanha, Estados Unidos e França; pela filha do sobrevivente do Holocauto, Ruth Glatt, entre outras autoridades. Também estiveram presentes Hermano Wrobel, presidente da Associação Cultural Israelita de Brasília; Marlova Jovchelovitch, diretora da Unesco; a embaixatriz de Israel, Dina Shelley; e o embaixador Marcos Bezerra Abbot Galvão, ministro interino das Relações Exteriores.

Na ocasião, o maestro Thiago Francis Silvério executou uma das músicas do filme “A Lista de Schindler”, que conta como um empresário alemão, Oskar Schindler salvou a vida de mais de mil judeus. Também durante a solenidade foram feitas orações pelas vítimas do Holocausto.

Embaixador Marcos Galvão

Já o embaixador Marcos Galvão destacou que o ministro das Relações Exteriores, Aloísio Nunes Ferreira Filho, não compareceu à solenidade este ano por estar em Israel, onde também participou de cerimônias em homenagem às vítimas do Holocausto. Disse que há mais de 70 anos, homens e mulheres em todo o mundo questionam como o horror Holocausto pôde ocorrer. “Esse crime sem igual na história nos provoca tristeza profunda e até hoje indignação. A rememoração do Holocausto é fundamental para nos manter a vigilância diante do antissemitismo e de outras formas de discriminação que se manifestam hoje recicladas em não menos odiosas roupagens”, comentou.

“Ante o sofrimento e desespero das vítimas da perseguição nazista, Luís Martins e Aracy preferiram seguir suas consciências e não as normas burocráticas, assumindo riscos pessoais concederam vistos brasileiros a muitos perseguidos, permitindo-lhes sobreviver e a refazer suas vidas em outros continentes”, comentou o ministro interino das Relações Exteriores, Marcos Galvão.

Exposição – Logo após a solenidade, foi aberta no foyer do plenário a exposição “Além do Dever”, que homenageia diplomatas que tiveram participação ativa ajudando judeus a escaparem das forças nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Entre eles, os diplomatas brasileiros Luís Martins de Souza Dantas e Aracy Carvalho de Guimarães Rosa, ambos reconhecidos com o título de “Justos entre as Nações” pelo  Yad Vashem, Museu de História do Holocausto. São exemplos de coragem e humanismo.  A mostra pode ser vista até dia 28 deste mês.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.