• 26 de maio de 2022 21:38

61 Brasilia

Portal de Notícias de Brasília

Minha Cadeira

Eleições no Distrito Federal – Bicho de Sete Cabeças

Advertisement

Eleições no Distrito Federal – Bicho de sete cabeças

Por: Marcus Caldas- Diretor técnico do Instituto Exata OP – OpiniãoPública

Os prognósticos para as próximas eleições no Distrito Federal nunca foram tão imprevisiveis. Todos têm chances, mas poucos são os caminhos para a vitória. Muitos apostam no “novo” incentivados pela vitória de João Dória em São Paulo, mas por outro lado, vimos o Crivela ganhar no Rio de Janeiro, mesmo sendo um político carimbado e com discurso popular e assistencialista. O que podemos tirar disso? Acredito que cada local tem as suas particularidades e em Brasília não é diferente!

É preciso estarmos atentos a vários fatores que podem (e devem) apontar alguns caminhos que os pré- candidatos ao Buriti sonham chegar, e no caso do atual governador, se manter.

Segundo pesquisas realizadas recentemente, a maioria dos entrevistados afirma que os debates eleitorais possuem um grande fator decisivo para a escolha do voto. Interessante citar que eles, esses mesmos entrevistados, disseram que decidiram seu voto na campanha passada por meio dos debates televisivos. Eu diria que se você, candidato, não é bom de TV, procure um profissional. Com certeza, os debates deverão ser a chave para a vitória almejada.

Outro fator muito importante para o próximo pleito será a Internet. O Google será responsável pela maioria das buscas por informações dos candidatos. Assim como as redes sociais, obviamente.

Várias são as cabeças na disputa ao Governo do DF, porém nada definido ainda.

Cabeça 1 – Governador Rodrigo Rollemberg do PSB, candidato à  reeleição num dos piores períodos da história da política do Brasil, principalmente para quem está no Executivo. E ainda carrega uma rejeição bastante elevada. Possivelmente, terá bastante dificuldades, mas está sobrevivendo e se mantendo no páreo devido à indefinição de seus opositores e pela leve melhoria de desempenho nos últimos meses.

Cabeça 2 – Jofran Frejat do PR, carrega um recall positivo das eleições de 2014. É um político experiente, com excelente bagagem em gestão pública, além de ser ficha limpa. As pesquisas mostram que é um dos principais concorrentes, e no momento sendo o favorito,  para as  eleições deste ano.

Cabeça 3 – Tadeu filippelli do PMDB, apesar de ter sido afetado por problemas jurídicos em 2017, o ex- vice- governador foi  absolvido, em última instância, por unanimidade pelo Superior Tribunal Eleitoral ficando livre para concorrer qualquer cargo eletivo. Quando se fala de gestão pública, é o mais bem avaliado por sua experiência. Filippelli tem o PMDB em suas mãos, o que significa que tem um bom tempo de televisão nos programas eleitorais e é um excelente articulador político.

No mesmo PMDB, aparece Ibaneis Rocha que também se apresenta como pretenso pré- candidato ao Governo do DF. Ibaneis tem em seu currículo a presidência da OAB, além disso possui um grande poder econômico.

Cabeça 4 – Alírio Neto do PTB,  ex-delegado de polícia, político experiente, criador do program Na Hora. Tem a simpatia das classes com menor poder aquisitivo e possui um bom grupo político.

Cabeça 5 – Izalci Lucas do PSDB, se coloca como pré- candidato a  governo a alguns anos. É um político experiente, possui um projeto interessante nas cidades que o possibilitou conhecer algumas realidades das regiões administrativas, contudo tem problemas internos dentro do partido, hoje, seu pior adversário.

Cabeça 6- Joe Valle do PDT,  é atual presidente da CLDF. É ficha limpa, empresário de sucesso na área de orgânicos no DF, se fortaleceu com a recente união com o PPS,  PSD e PC doB, trazendo para perto nomes de peso como Cristóvam Buarque, Rogério Rosso e Celina Leão.

Cabeça 7- PT:  Com alguns nomes, porém sem nenhuma definição, mas muito provavelmente deverá lançar um nome para a disputa no próximo pleito. A seu favor, possui cativo 12% do eleitorado de Brasília.

A influência de Arruda tem um peso importante. Ele conta com um terço da simpatia do eleitorado do DF.  Já Reguffe, diz que não será candidato, mas foi campeão histórico de voto nas eleições de 2014, sua presença também terá uma grande importância na campanha. O senador Cristóvam Buarque, também terá uma  forte influência nas eleições, assim como o peso do nome de Roriz.

Além destas cabeças, vários outros se colocam a disposição nessa disputa, é o caso de Alexandre Guerra do partido Novo, Goudim da Ceilândia, Wanderley Tavares da ala da Igreja Universal e o Psol que sempre participa ativamente das eleições no DF.

A realidade é que tudo pode acontecer, as pesquisas  apenas apontam tendências. Os próximos meses serão decisivos, mas uma coisa é certa: a próxima eleição será de mais qualificação. Os mais preparados, para o público, deverão crescer e aparecer.

Apenas 4% dos entrevistados de pesquisas, afirmam já terem escolhidos seus nomes, ou seja, o número é baixo. Tudo pode acontecer!

O BICHO DE SETE CABEÇAS ESTÁ AÍ, BEM PRÓXIMO, SÓ RESTA SABER QUAL CABEÇA ESSE BICHO VAI ESCOLHER.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.