• 15 de agosto de 2022 03:12

61 Brasilia

Portal de Notícias de Brasília

Bio Mundo

Jornalista Conceição Freitas compartilha dica literária

Advertisement

Conheça os livros preferidos de personalidade do Distrito Federal. Iremos divulgar toda semana um livro sob o olhar de um leitor ou leitora da cidade.  Ele ou ela irá indicar o livro que leu ou está lendo e fará um comentário sobre a leitura. A dica desta semana é da jornalista e escritora Conceição Freitas.

Conceição Freitas é jornalista, cronista, autora de dois livros. Há três anos comanda a Banca da Conceição, na 308 sul. Moradora de Brasília há mais de 30 anos, é da cidade que ela tira o sentido do que escreve. Com olhar ímpar para a capital, Conceição publicou crônicas diárias por 10 anos. Atualmente, além de jornaleira, compartilha o olhar atento para a cidade por meio de um blog, onde os leitores podem conferir um pouco da sua escrita.

A Banca da Conceição é porta de entrada para turistas, arquitetos e estudantes interessados em saber um pouco mais sobre como é viver na superquadra, um modelo de moradia e convivência urbana que Lucio Costa aprimorou a partir de princípios do urbanismo moderno. A banquinha, como é carinhosamente nomeada por Conceição, também virou ponto de encontro para escritores de Brasília e de fora que, com frequência, participam de roda de conversas com leitores.

Está lendo pela terceira vez Lolita do russo Vladimir Nabokov, radicado nos Estados Unidos para fugir da guerra. O romance foi publicado na França, em 1955, após ser rejeitado por cinco editoras norte-americanas. O livro só seria publicado nos EUA em 1958. Polêmica, irônica e tocante, a obra narra o amor obsessivo de Humbert Humbert, um cínico intelectual de meia-idade por uma adolescente. Lolita é uma história de paixão e ruína.

Segundo Conceição, o que mais chama a atenção no romance são a qualidade literária e a genialidade do narrador. “Como escritora, tento me impregnar dessa qualidade técnica”, ressalta. Conceição destaca que o livro “fala, sobretudo, sobre amor intenso, que é o que me move naquilo que faço”, explica. “O autor tem um olhar cínico e amargo, diferente do meu” descreve.

Acesse o blog da Banca da Conceição  www.bancadaconceicao.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.