• 20 de maio de 2022 00:42

61 Brasilia

Portal de Notícias de Brasília

Defensores da comida sem agrotóxico conquistam os eleitores

Nubia Paula

ByNubia Paula

out 5, 2018
Advertisement

Defensores da comida sem agrotóxico conquistam os eleitores

 

Pesquisas demonstram que os brasileiros estão cada vez mais conscientes quanto ao mal que o agrotóxico provoca em sua saúde e que os políticos podem influenciar na quantidade de veneno que consumimos, aprovando ou não leis para proteção da sociedade.
A população demonstra que a mudança é necessária e que na hora do voto, parlamentares que no congresso apoiam as indústrias que geram os produtos que afetam nossas vidas e nosso bem-estar, estarão excluídos.
Ao longo dos últimos anos, apesar de não ser explicito para muitas pessoas, a nação entendeu que além de acabar com a fome, a miséria também está na falta de acesso à cultura, a saúde e a promoção da cultura da paz.
Entre os dias 13 e 16 de agosto foi realizada uma pesquisa inédita, pela Aliança de Controle do Tabagismo, que mostra que 89% dos entrevistados dizem que não votariam em um candidato que apoie as indústrias de agrotóxicos no Brasil. Àqueles que apoiam as indústrias de tabaco são rejeitados por 85%. Também não aceitam os legisladores pelas armas e álcool, é o que aponta 80% e 71% da pesquisa, respectivamente.


Atualmente, duas das maiores bancadas do Congresso Nacional atual defendem essas industrias. A “bancada da bala” tem 299 deputados e a bancada ruralista que defende os agrotóxicos 227 deputados e 27 senadores. Graças ao forte lobby e investimento destas industrias, em 2014 92% rejeitava as armas, este índice de rejeição caiu e atualmente sobe novamente. As armas só são boas para quem as vendem. Mais ninguém ganha com as mutilações e a morte.
O problema da violência é complexo. Há aqueles que colocam armas na nossa cabeça e outros que colocam veneno no nosso prato. Estas são duas formas, uma mais explicita e outra menos. Mas graças as campanhas intensas que temos feito, nos últimos tempos, a população está mais atenta.
Para combater a indústria do agrotóxico, além de proibir o uso no país, é importante introduzir a questão da alimentação orgânica e promover o fortalecimento da agricultura familiar. Temos que ampliar a aquisição de alimentos orgânicos para toda a merenda escolar no Brasil, hospitais e clínica para combater essa cultura do agrotóxico. A alimentação saudável é o nosso melhor remédio. Por outro lado, o agrotóxico causa doenças como câncer, Alzheimer, impotência, além de gerar a depressão e contribuir para o suicídio.
Entendemos que a agroecologia é um caminho de alimentação saudável. Muito países já estão livres dos venenos da comida como a Dinamarca. É possível a realização de uma transição no país, capacitando os agricultores e produtores rurais a manejarem suas terras sem agrotóxicos, criando zonas livres e em breve estar totalmente desvinculados destas multinacionais que exploram nosso capital e prejudicam a nossa vida.
Um dos presidenciáveis, questionado esta semana pela imprensa, afirmou que “a questão da alimentação saudável é um assunto que o interessa muito. Lembrou que, no período em que comandou o Ministério da Educação, criou um programa que determinou que 30% dos alimentos usados na merenda escolar tinham que ser adquiridos da agricultura familiar. Segundo ele, caso vença a disputa pelo Palácio do Planalto, pretende ampliar esse percentual de compra de alimentos de agricultores familiares. Outros dois incluíram este tema em suas pautas, pois esta questão: o combate do agrotóxico no país, passou a ser item de todas as pesquisas de identificação de perfis de candidatos divulgadas pelos diversos aplicativos.


Cristina Roberto é cozinheira, empreendedora, ativista cultural e defensora de alimentação segura e saudável e candidata a deputada federal, pelo distrito federal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.