• 29 de junho de 2022 00:53

61 Brasilia

Portal de Notícias de Brasília

Minha Cadeira

Tratamento de câncer pode interferir na saúde do coração

61brasilia

By61brasilia

fev 13, 2019
Advertisement

Tratamento de câncer pode interferir na saúde do coração
No mês que se comemora o Dia Mundial de Combate ao Câncer, saiba como proteger o coração dos efeitos colaterais do tratamento oncológico

No mês de fevereiro (4) se comemora o Dia Mundial de Combate ao Câncer. A data foi criada pela União Internacional de Controle do Câncer (UICC) e tem como objetivo conscientizar a população, no que diz respeito a hábitos saudáveis e diagnóstico precoce. Muito já é sabido sobre a doença, mas o que muita gente ainda não sabe é que o coração é um dos órgão que mais sofre com o tratamento da doença e merece uma atenção especial neste período.

De acordo com estudos publicados na revista científica Journal of Clinical Oncology, pessoas que passam por um câncer se tornam mais vulneráveis a doenças cardiovasculares, mesmo não tendo um histórico familiar de problemas cardíacos. Os grupos mais suscetíveis são as crianças e os idosos. O oncologista do Hospital Anchieta, Dr. Marcos França, explica que isto se dá como efeito colateral do tratamento. “Algumas medicações e métodos usados no tratamento, como quimioterápicos e a radioterapia, podem causar insuficiência cardíaca, arritmias, hipertensão arterial, entre outros problemas”, relata.

Logo, o cuidado com o coração deve ser redobrado durante o tratamento oncológico. Neste momento, a cardiologia e a oncologia devem trabalhar juntas, necessidade que fez surgir a cardio-oncologia. Dr. Bruno Jardim, cardiologista do Instituto do Coração de Taguatinga (ICTCor) garante que esta troca é importante. “O acompanhamento dos pacientes oncológicos é constante. Em contato com os oncologistas responsáveis, monitoramos todas as taxas e, se necessário, solicitamos a troca de algum medicamento que possa ser substituído”, explica.

Procedimentos comuns na cardiologia, como o cateterismo e a angioplastia, podem e devem ser realizados em pacientes com câncer, porém há de se ter alguns cuidados específicos. “Antes de fazer procedimentos deste tipo, eles devem ser avaliados no que tange predisposição a trombose, nível de plaquetas no sangue e potencial de interação medicamentosa. Tudo deve ser bem individualizado, inclusive a escolha de dispositivos usados no processo”, afirma Dr. Thomas Osterne, cardiologista do ICTCor.

Avanços a favor dos pacientes

A tecnologia e os avanços da medicina já permitem que pacientes com tumores tenham disponíveis tratamentos que diminuam os efeitos colaterais, potencializem os resultados e agridam menos outros órgãos, entre eles o coração. A neurorradiologia intervencionista atua no tratamento oncológico, oferecendo a técnica de embolização tumoral na face e no cérebro para os pacientes acometidos pela doença nas áreas da cabeça e pescoço.

O Dr. Eduardo Waihrich, neurorradiologista do ICTCor, explica que a embolização funciona como uma espécie de cateterismo, no qual um cateter é introduzido na artéria femoral e conduzido até as artérias do pescoço. Lá, um microcateter injeta o quimioterápico diretamente na circulação do tumor. “Isso é uma vantagem, já que possibilita uma dosagem menor da substância, além de não ter tanto impacto no sistema nervoso central. Trata-se de um método minimamente invasivo, que é uma tendência geral na medicina”, relata.

A embolização atua em duas frentes no ICTCor. Uma é pré-operatória e visa ajudar a revascularização, diminuição de perda de sangue e tempo de cirurgia, o que diminui o tempo de exposição e o risco de infecções durante a cirurgia para retirada de tumores. A segunda é paliativa, realizada em pessoas que não têm condições de passar por um procedimento cirúrgico. “Com isso, nós conseguimos retardar a evolução da doença e aumentar a sobrevida do paciente”, garante Dr. Eduardo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.