Our website is made possible by displaying online advertisements to our visitors. Please consider supporting us by whitelisting our website.
  • 5 de dezembro de 2022 11:22

61 Brasilia

Portal de Notícias de Brasília

O alambique mágico pertinho de Brasília que se chama Cambéba

Carolina Cascao

ByCarolina Cascao

set 26, 2019
Advertisement

O alambique mágico pertinho de Brasília que se chama Cambéba

Em apenas uma hora de carro da capital, numa estrada bonita, um programa poético (e imperdível) é visitar o Alambique Cambéba, às margens da BR-060, km 21, na fazenda Brioso, em Alexânia, no Goiás. Respirar outros ares, degustar seis tipos sofisticados de cachaça orgânica artesanal num passeio guiado e almoçar como um francês, no bistrô, preenche as lacunas do coração, permite que a alma respire e que a mente se abra com as histórias de Galeno Cambéba, outra grande atração do lugar. Tudo isso de frente a Serra do Ouro, numa vista de perder o fôlego.

Se não fossem os piratas franceses, talvez o Alambique Cambéba, em Alexânia (GO), localizado a 70 km de Brasília (DF), nem existisse. A indústria de cachaça sofisticada, orgânica e artesanal, trabalho do cearense de Caucaia, Galeno Cambéba Furtado Monte, existe há 30 anos. E faz parte da sétima geração, na árvore genealógica da família, na arte de fazer a bebida -, uma história que começou há 211 anos, em 1808 quando seu hexavô, Jozé Félix de Azevedo Sá, cumpriu a missão de entregar 11 corsários prisioneiros franceses, a pé, do Ceará até Pernambuco, e por feliz coincidência conheceu o processo da cachaça. E o colocou em prática, no sítio Cambéba, na Serra do Juá Caucaia, no Ceará.

A produção de cachaça começou há seis gerações

O passeio guiado é uma verdadeira aula de conhecimento, de história, de sensações e de aromas. Aos amantes da cachaça será um programa e tanto. Aos que não tem a menor identidade com a bebida, também. Todos irão amar a ideia de caminhar numa adega em meio a 1500 barris de carvalho com cachaça Cambéba, cada um com 200 litros, um total de 300 mil litros de bebida -, a 5 metros abaixo do solo, em temperatura baixa, o ideal para a boa armazenagem do produto. É como estar numa cena de filme. Aliás, ensaios fotográficos e pedidos de casamento ali já foram feitos. Não se assuste se sair levemente “borracho” (bêbado) apenas ao sentir o aroma. A sensação é interessante -, isso quer dizer que o organismo está em pleno e bom funcionamento.

Visita da jornalista à adega com seus barris …

Conhecer todo o processo de fabricação da cachaça, desde a colheita, passando pela moagem, padronização, destilação e fermentação é estimulante. E curioso! A degustação dos seis tipos de cachaças da Cambéba faz parte da experiência. Cada uma tem uma particularidade, assim como tempo de envelhecimento no barril de carvalho e preço. Na loja do Alambique, elas podem ser adquiridas por um preço que varia de R$ 60 a R$ 260.

Para que o passeio fique completo, sugiro uma pausa para apreciar a palavra beleza ao contemplar a vista para o vale, no bistrô do Cambéba, que tem apenas três anos.

A melhor caipirinha do mundo

Aproveite para tomar um drink ou uma caipirinha (a melhor do mundo), tudo preparado com a própria cachaça, e depois, almoçar um dos pratos especialíssimos, todos assinados pelo Chef La Croix, formado por uma das escolas mais famosas da França, o Le Cordon Bleu. Algumas das criações levam a cachaça no preparo. No cardápio tem entradas, saladas e opções para as crianças.

Os pratos são incrivelmente bem servidos e com preços acessíveis que variam de R$ 28,90 a R$ 49,90. A nossa equipe almoçou a picanha suína com redução cítrica (com uma linda rodela e deliciosa laranja) e arroz biro biro (ovos mexidos, bacon e batata palha) e um risoto de pato, flambado na cachaça orgânica envelhecida extra premium ao molho de champignon e bacon. As sobremesas são variadas a cada dia, por isso pedem para perguntar ao garçom. Sei que existe uma mousse de cachaça que impressiona a ponto de perder os sentidos…brincadeira à parte!

A cachaça que os gringos amam

De toda a cachaça produzida, 95% saem do país. O projeto de exportação é visionário. Galeno Cambéba Furtado Monte colocou como ideia desde os primeiros momentos de Alambique Cambéba. Cada garrafa contém 700 ml e teor alcoolico de 39% -, isso quer dizer que mais de três mil litros por mês saem do país a cada 30 dias. No total, são 3840 garrafas para a Espanha e 4480 para os Estados Unidos.

Entre as cachaças premiadas, as antiguidades e a lojinha que parece vender sonhos.

“Os EUA consomem e vendem também. Em Tampa, na Flórida, tem um ponto de vendas. E sei que já encontraram Cambéba no Japão. Não se tem controle mais. As cachaças ganharam o mundo”, disse Galeno.

A marca já está registrada em vários outros países, como o Chile, a China, o Peru e a Venezuela.

Os rótulos de cachaça são premiados desde a mais simples que não passa pelo barril de carvalho, fica apenas em tanque de inox, até as mais elaboradas. A cachaça que fica armazenada por dez anos coleciona 14 prêmios, todos internacionais, como África, Bélgica, Estados Unidos (vários para a Califórnia), China e Austrália.

A ordem dos fatores altera o produto

Não só isso, a qualidade, a forma do “bolo” e a temperatura são os ingredientes essenciais para uma boa cachaça. “Fazer cachaça é fácil. É como fazer bolo. Mas se não tiver um equipamento de sensibilidade, o processo desanda”, disse Galeno.

Após a colheita da cana, a moagem deve ser feita em até 24 horas. A partir daí, o caldo vai para a sala de recepção, onde existe um decantador em aço inoxidável. É chegado o momento da padronização e logo em seguida, corrige-se o teor de açúcar da cana por meio de água bem pura. É na fermentação que o açúcar é transformado em álcool. E num lindo alambique de cobre, vem a última fase da fabricação, a destilação da cachaça.

“Nossa cachaça é artesanal, pois é produzida no alambique de cobre no sistema de batelada, ou seja, destina-se o vinho fermentado no alambique, descarta o vinhoto que sobrou no alambique, iniciando uma nova destilação”, explica Galeno.

O clima e o solo da região são propícios para o plantio de cana. Na época, em 1989, Galeno optou por montar a indústria em Alexânia em virtude da localização estratégica que o eixo Brasília – Anápolis – Goiânia oferecia -, além da oportunidade de poder contribuir economicamente com a geração de empregos numa região com potencial crescente.

A cachaça Cambéba é orgânica, ou seja, a cana plantada não recebe agrotóxico. E todo o processo de fabricação atende perfeitamente aos padrões de higiene, qualidade do produto, assim como o armazenamento. Uma prova disso são os certificados internacionais como a IBD Certificado Orgânico, a BR-BIO-122 Brazil Agriculture, a Produto Orgânico Brasil e a USDA Organic. “Nosso produto passou por um teste de certificação na Espanha. O Ministério de Indústria, Comércio e Turismo, deste país, não encontrou nenhum dos 114 produtos químicos que podem estar presentes em bebidas e alimentos. Tudo estava perfeito”, declara Galeno.

A retranca em preto e branco da vida do Alambique

A placa “Vende-se” nos galhos de um pé de pequi foi o ponto inicial para que um projeto com visão futurista começasse a criar raízes. Não tinha número de telefone -, apenas o anúncio de próprio punho. Pernas a favor e disposição para uma pesquisa de campo -, só assim se chegaria ao vendedor que não parecia ter lá tanto interesse em vender a propriedade. A casa mais próxima do “anúncio” foi a primeira porta que Galeno se dirigiu. E surpresa, nada de vendedor. Mas como ainda existem pessoas generosas no mundo, o caminho das pedras foi indicado e, numa fazenda próxima, o sonho de comprar aquela propriedade estava perto. Negócio fechado.

– toc toc – Galeno.

Abre a porta (nem tão antiga assim, da década de 80).

– Quem está vendendo? – pergunta Galeno.

– É o fazendeiro lá do fundo. Vou lhe explicar – disse o Sr. Madaleno, homem rude meio ermitão, que morava perto do pé de pequi.

Galeno, o proprietário, é a atração do lugar.

Se você for inteligente aproveitará o tempo que tiver ao lado de Galeno Cambéba Furtado Monte, empresário e economista, nascido em 16 de novembro de 1956, em Caucaia, no Ceará. Casado, três filhos, dois netos, ele diz que tudo valeu a pena, mas agora o que ele quer é embarcar numa grande aventura de moto. Preparou o filho Thiago, 33 anos, para que levasse com maestria o negócio à sétima geração. As filhas também são o orgulho do pai, Márcia, 39 anos, e Marcela, 36 anos. E, a esposa, Rosaly Brasil Furtado, é uma grande aliada na administração do Alambique.

Acredito que se cachaça fosse remédio, Galeno saberia recomendar o rótulo perfeito para cada tipo de sentimento ou doença. E assim conduziria o caminho da cura ao mesmo tempo. Para dar uma forcinha à dor de cotovelo ou acabar com a raça da enxaqueca, talvez a cachaça envelhecida por 10 anos. Para preencher uma lacuna ou sanar a sinusite, a cachaça que fica armazenada no inox por um ano. E para confortar as saudades, o novo rótulo, ainda inédito, o envelhecido por 15 anos. Afinal, saudades é algo grande.

Fui embora com o coração partido. Nada que um rótulo de 10 anos para me levar de volta, tomar uma dose, escutar um rock do Creedence Clearwater Revival (banda de rock dos anos 60) e conversar sobre livros, pessoas e cultura com Galeno. Afinal, grandes histórias têm o poder de influenciar para o bem.

Serviço:

Alambique Cambéba Brasil
Fazenda Brioso, BR-060, Km 21, Serra do Ouro. Alexânia, GO.
Para agendamento das visitas gratuitas ou reserva do Bistrô: 62 99700-1961
cachacacambeba@gmail.com

Pontos de Venda no Brasil:

Loja do Alambique Cambéba, Alexânia, GO.
Aeroporto de Brasília, DF: Eu Amo Cachaça.
Aeroporto de Goiânia, GO: Vive Brasil.
Goiânia, GO: Abasteria / Flor de Pedra.
Abadiânia, GO: Route 60.
Alexânia, GO: Supermercado Sombra / Máximo Grau.
Fortaleza, CE: Embaixada da Cachaça / FS Rocha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.