• 27 de junho de 2022 17:01

61 Brasilia

Portal de Notícias de Brasília

Valeria Souza

Delegados fazem críticas às mudanças na legislação, especialmente no que tange às audiências de custódias

61brasilia

By61brasilia

jan 23, 2020
Advertisement

Delegados fazem críticas às mudanças na legislação, especialmente no que tange às audiências de custódias

A avaliação foi feita pelo vice-presidente parlamentar da Associação dos Delegados de Polícia do Brasil, Rodolfo Laterza, que também enxerga avanços na legislação aprovada

A aprovação das leis de Abuso de Autoridade e do Pacote Anticrime marcaram o legislativo no último ano e segue em discussão. Muitos questionamentos e até mesmo tentativas de invalidação das medidas tem sido cogitadas. Houve também uma revisão no entendimento da corte do Supremo Tribunal Federal, em relação a execução da pena após a condenação em 2ª instância. Rodolfo Queiroz Laterza, vice-presidente parlamentar da Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (ADEPOL BR), especialista em segurança e delegado de Polícia Civil do Estado do Espírito Santos, que participou dos Grupos de Trabalho para a discussão dos temas no Congresso, aponta os impactos gerados na segurança pública e esclarece o posicionamento da categoria a partir das mudanças legislativas.

Para o especialista, medidas importantes foram tomadas e houve grandes avanços no sistema de justiça criminal no ano passado. A partir das propostas encaminhadas pelos ministros Alexandre de Moraes e Sérgio Moro, houve um aprimoramento nos textos tanto da Lei da Abuso de Autoridade quanto do Pacote Anticrime, a partir da colaboração de uma parte dos parlamentares e também de entidades como a ADEPOL. “Alguns problemas de juridicidade e técnicas legislativas necessitavam de aperfeiçoamento, reconhecemos a existência de alguns pontos polêmicos e outros tantos problemáticos, mas no geral, medidas importantes foram tomadas com a implantação das leis, trazendo avanços para o sistema de justiça criminal, afirmou Rodolfo Laterza.

Rodolfo fez ainda uma análise técnica e racional, como ele gosta de lembrar, sobre a nova lei de abuso de autoridade, reforçando que essa nova configuração vai trazer uma segurança jurídica que estava em falta na lei anterior, e que embora o existam problemas redacionais em diversos dispositivos, ela não prevê nem uma modalidade culposa. “Percebo que a lei 4898 de 65, atingia fundamentalmente a atividade policial, gerando forte imprecisões e acusações nas corregedorias civis, federal e também no Ministério Público”, destaca Rodolfo.    

Mas quando o assunto é audiência de custódia, a Adepol do Brasil apresenta um parecer crítico. Umas das questões levantada é a redundância apresentada na lei, que para os delegados acaba gerando uma forma de se pré-constituir e estabelecer uma criminalização da atividade policial, à qual o juiz precisa indagar ao investigado, se houve algum tipo de violência contra sua integridade física corpórea, mesmo mediante a apresentação de exame de corpo delito ou negativo de lesões corporais, gerando assim uma presunção de acusação da atividade policial. “A audiência de custodia é o maior instrumento de impunidade no Brasil”, aponta o vice-presidente da Adepol do Brasil.

Instituída pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em parceria com o TJSP e o Ministério da Justiça, entre fevereiro e outubro de 2015, a audiência de custodia tem como ideal, a apresentação rápida do acusado, preso em flagrante a um juiz, em uma audiência. Dessa maneira será avaliada, sob o aspecto da legalidade, a permanecia na prisão ou a concessão de liberdade acompanhada, ou não, de medidas cautelares. Nessa audiência o juiz precisa avaliar a possível ocorrência de maus-tratos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.