• 27 de junho de 2022 17:55

61 Brasilia

Portal de Notícias de Brasília

Vila Velutti Junina

Secec promove “live” para discutir Lei Aldir Blanc

61brasilia

By61brasilia

jul 28, 2020
Advertisement

Secec promove “live” para discutir Lei Aldir Blanc

Secretário de Cultura e Economia Criativa estima que o DF vá receber R$ 37 milhões para socorrer artistas O Distrito Federal deve receber R$ 37 milhões de repasse da lei federal 14.017 de 2020, conhecida como Lei Aldir Blanc – que trata da ajuda emergencial para artistas, coletivos e empresas do setor cultural durante a pandemia do Covid-19 –, revelou hoje o secretário de Cultura e Economia Criativa do DF, Bartolomeu (Bartô) Rodrigues, durante “live” de uma hora de duração no perfil da Secec no Facebook. “É pouco”, admitiu Rodrigues, que deixou claro também que a chegada dos recursos ainda depende da regulamentação da lei, aprovada na Câmara e, com emendas, no Senado, o que obriga o documento legal a voltar à casa que deu início ao processo.

“Não temos respostas ainda para o ‘quando’, então vamos tratar do ´como´”, revelou. A publicação no FB alcançou quase 6 mil pessoas e recebeu 350 comentários. Durante a conversa – da qual participaram também o secretário executivo da Secec, Carlos Alberto Júnior, e o chefe da Assessoria de Comunicação Social da pasta, Sérgio Maggio –, Bartô revelou sua preocupação com a rapidez e a transparência da transferência dos recursos aos agentes culturais, uma vez disponibilizados. Ele evitou fixar prazos.

“A pior coisa num momento de ansiedade alta como o que atravessamos é criar mais expectativas”. Sobre o “como”, ele afirmou que a Secec está em contato com o Ministério do Turismo – à frente do trabalho de regulamentação – e pretende, enquanto isso, estreitar o contato com a cadeia produtiva de artistas, agentes e empresários do setor no DF. Para isso, nas próximas semanas, a secretaria vai chamar vários segmentos a conversar. Com esse objetivo, a Secec vai promover a ação “Escuta Cultura Aldir Blanc”, com rodas de conversa entre o Grupo de Trabalho da Lei Aldir Blanc, da secretaria, com os artistas do DF.

“Vamos começar pela base, com os mais necessitados, os técnicos e auxiliares”, frisou o Rodrigues. O encontro virtual, pela ferramenta Google Meet, será na quarta-feira da semana que vem (29). Outros segmentos virão na sequência – trabalhadores de circo, comunidades LGBTQI+, cultura popular, hip hop, comunidades tradicionais, artistas de rua, artesanato, teatro, dança e performance, música e artes visuais. A Secec vai publicar, em seus perfis nas redes sociais, “cards” destinados a esses públicos alvos, com os dados para participação nos encontros virtuais. Rodrigues se comprometeu na “live” com o diálogo e a transparência no processo.

Para tanto, um comitê consultivo será formado com coletivos do setor cultural mais Ministério Público, Tribunal de Contas e Procuradoria Geral do DF. Exortou também os agentes culturais a trocarem informações com a pasta no sentido de otimizar o processo, uma vez regulamentada a transferência do dinheiro. Uma preocupação central manifestada pelas centenas de manifestações durante a conversa ao vivo foi com a questão do cadastramento para receber os recursos que se dividem em três linhas: artistas como pessoas físicas, espaços culturais e editais.

O gestor da Secec frisou o compromisso da pasta de facilitar o acesso ao recurso mediante utilização de diferentes cadastros já existentes, como o Cadastro de Entes e Agentes Culturais (Ceac), por exemplo, o Mapa das Nuvens da Secretaria Especial de Cultura (federal) e mesmo um específico, a ser criado (Cadastro Aldir Blanc), para os destinatários da ajuda. Carlos Alberto Júnior lembrou que o espírito da lei é o de atingir os artistas mais fragilizados e há indícios de que o Cadastro de Pessoa Física (CPF) seja aceito, em lugar do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) para promover o cruzamento de informações com dados da Receita Federal. Ele afirmou que o instrumento da autodeclaração, sujeito a cruzamentos com dados do governo federal, também deve ser acolhido na regulamentação.

Ele lembrou que a Lei Aldir Blanc traz vedações a quem foi beneficiário de alguma outra ajuda financeira oficial. Outra questão que o secretário executivo esclareceu é que não há a possibilidade de confundir recursos da Lei Aldir Blanc com dinheiro do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) do DF, uma vez que se tratam de rubricas financeiras separadas.

O secretário de Cultura e Economia Criativa comentou que as pessoas à frente dos postos públicos de governo têm de pensar em como lidar com o que virá depois da crise sanitária do novo coronavírus. Referiu-se à crise econômica que, na opinião dele, durará mais tempo, e vaticinou que as futuras gerações lembrarão das decisões diante das dificuldades que o país atravessa.

“Se agirmos errado, seremos cobrados. Se agirmos corretamente, seremos lembrados. É o que queremos”, finalizou.

Link para a live: https://www.facebook.com/sececdf/videos/209882313721114/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.