• 17 de agosto de 2022 16:27

61 Brasilia

Portal de Notícias de Brasília

Grama Solara

O vídeo da arara azul

61brasilia

By61brasilia

set 25, 2020
Advertisement

O vídeo da arara azul

Olha só que lindo, patroa! Filmei depois que você saiu de casa.

O vídeo, enviado pelo Whatsapp, mostrava uma arara azul no topo de um coqueiro bicando um pequeno coco. Após conseguir furá-lo, a ave entornou graciosamente o fruto, segurando com o bico mesmo, para sorver a água numa atitude resoluta de matar a sede, como em comercial de refrigerante. Tinha razão a empregada, o vídeo era realmente lindo.

Tia Carla resolveu compartilhar com a família aquele belo registro, gravado ali, no quintal de sua casa em Sobradinho.

O grupo da família derreteu-se em aprovação: Lindíssimo. Maravilha de Deus. Ain que fofo, tia. Muito legal. Eu mesmo mostrei o vídeo para minha sogra, todo orgulhoso: viu, filmado lá na casa da minha tia! Mas eis que surgiu uma pergunta desafiadora:

Foi você mesmo que filmou, tia?

Claro que tinha sido. Quem iria duvidar da tia Carla. Aquela bela casa com coqueiros vistosos deve mesmo ser um ótimo local de encontro para araras azuis. Sentar-se no alto de um coqueiro, apreciar a vista e beber uma água de coco. Eu, se fosse arara, não tenho dúvida de que preferiria tomar água de coco na casa da tia Carla ao invés do Parque da Cidade. Então por que a dúvida?

É que apareceu o link de um vídeo no Youtube. Uma arara azul bebendo coco. A mesma arara azul e o mesmo coco. Mas publicado pela TV Ceará.

Me salva aí, tia. Encaminhei o vídeo para alguns grupos, jurei que o caso tinha se dado em Sobradinho, na casa da minha tia, mas agora postaram esse vídeo e estão me acusando de fake news.

Uma investigação se sucedeu, e o grupo da família se agitou numa quarta à tarde diante daquele estranho caso do vídeo da arara azul bebendo coco! Parte do grupo sentiu a honra da família afrontada por aquela dúvida, e defendia com unhas e dentes a autenticidade do vídeo. Outra parte decidiu investigar o caso mais a fundo.

Nos comentários do vídeo do Youtube, algumas pistas. Uma tal de Sandra alegava que o vídeo era dela, filmado de sua casa em Maricá, Rio de Janeiro. Um funcionário da TV Ceará respondeu dizendo que recebera o vídeo por Whatsapp, mas não sabia a procedência e por isso não colocou os créditos.

Eis aí a prova! O vídeo, encaminhado pela empregada, viralizou e foi parar na TV Ceará. Caso encerrado, vídeo feito em Sobradinho, vitória da família, azar dessa tal de Sandra de Maricá. A tia Carla, para pacificar os ânimos, inclusive printou a conversa dela com a empregada, onde essa encaminhava o vídeo.

Ao invés de funcionar como prova definitiva, o print da conversa reabriu o caso, que já estava arquivado. Duas coisas chamaram a atenção. O selo “Encaminhado” acima do vídeo e a data da conversa. Se o vídeo havia sido encaminhado, então era porque não havia sido filmado pela empregada. E a data da mensagem dela e da patroa era posterior à publicação do vídeo pela TV Ceará.

Uma reviravolta. Aquela arara azul, ao que tudo indica, não havia sido filmada em Sobradinho, na casa da tia Carla, mas em Maricá, pela Sandra. Será que a empregada mentira?

Após uma acareação relatada dias depois no grupo da família, a empregada jurou de pés juntos que era a autora do vídeo. Alguns contestaram essa versão, questionando qual seria o próximo passo: vídeos de gatinhos fofos brincando em um quintal de uma casa que sequer tinha gatos?

Mas a grande maioria se firmou no in dubio pro reu. Resultado: caso inconcluso. Ademais, araras azuis de fato frequentam os coqueiros da casa da tia Carla, conforme testemunho de pessoas fidedignas. Que venha a TV Ceará, que venha a TV Globo, e até mesmo a Sandra de Maricá, e vejam todos que as araras azuis são fiéis frequentadoras dos coqueiros da tia Carla.

 

Rodrigo Bedritichuk é brasiliense, servidor público, pai de duas meninas e autor do livro de crônicas Não Ditos Populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.