• 27 de junho de 2022 16:58

61 Brasilia

Portal de Notícias de Brasília

Seta Arquearia

Ela cresceu e se reinventou

61brasilia

By61brasilia

out 20, 2020
Advertisement

Maria Ludimila Barbosa Oliveira Santos (mais nome que gente), uma economista que saiu da caixinha e se reinventou… 

Antes, fazia a gestão da escassez de recursos materiais e hoje busca orientar pessoas a administrar seus patrimônios emocionais, mentais e corporais. 

Por meio das Práticas Integrativas Complementares de Saúde (PICS), entre elas: 

Medicina Tradicional Chinesa, Reiki, Aromaterapia, crâniopuntura, Barras de Access, Access Facelift, Hipnoterapia, PNL; procura levar homeostase energética, saúde e bem-estar aos seres vivos nas modalidades presencial e on-line. 

Quando criança tinha um sonho: realizar uma super festa de 15 anos… Mas devido à realidade financeira da família, isso nunca foi possível. Porém, em 2018, aquela menina trouxe à tona seus dons empresariais e criou a Festeje: sua Fábrica de Sonhos. (@festejebsb) Uma loja que vende artigos e aluga utensílios para comemorações especiais. E ainda presta consultoria para organizar e reduzir o custo da sua festa.

Hoje, considera que foi contagiada pelo bichinho do empreendedorismo e aquela menina sonhadora, iniciou juntamente com alguns sócios, a Lèv GOURMET (@levgourmet.bsb) (empresa de congelados saudável), a @dolceateliedesabores (onde comercializa doces veganos e tradicionais), LISSLU CLOSET @lisslucloset (empresa no segmento da moda que fomenta a economia social) e a LÈV LEVEZA (onde produzo conteúdo sobre saúde/bem-estar e comercializa aromas, óleos essenciais e cosméticos personalizados) @levlevezaoficial.

Acredita que quem não vive para servir, não serve para viver… Por isso, participa de dois trabalhos voluntários. Dedicando uma parte do seu tempo para cuidar de meninas e mulheres em situação de risco e de pessoas com desequilíbrios emocionais.

Práticas Integrativas e Complementares em Saúde – PICS

A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) surgiu como uma alternativa à política pública permanente e considera não só os mecanismos naturais de prevenção de agravos e recuperação da saúde, mas a abordagem ampliada do processo saúde-doença e a promoção global do cuidado humano.

Você sabe como surgiram as Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS)?

Em 1972, visando garantir o mais alto grau de saúde para todos os seres humanos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) criou o Departamento de Medicina Tradicional a fim de encorajar os países membros a utilizarem abordagens mais naturais, seguras e custo-efetivas, devido aos resultados positivos observados nos indicadores de saúde dos países que utilizavam as Medicinas Tradicionais, Complementares e Integrativas. No Brasil, tais abordagens foram institucionalizadas no SUS com o nome de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS), seguindo as recomendações da Declaração de Alma-Ata para a Atenção Primária à Saúde e o anseio da população expresso na 8ª Conferência Nacional de Saúde.

Algumas PICS são milenares e utilizadas como recursos terapêuticos em muitos sistemas públicos e privados de saúde, como o inglês e o norte-americano, e muitos dos seus benefícios para a promoção, tratamento e reabilitação da saúde são legitimados socialmente e também comprovados por pesquisas científicas. As PICS promovem uma nova cultura de cuidado, fortalecendo o vínculo terapeuta-paciente, o empoderamento do indivíduo e seu protagonismo no processo de cura, possuindo grande potencial desmedicalizador. As PICS não concorrem com os tratamentos convencionais, apenas complementam e possibilitam um olhar integrativo na saúde.

Essa política, inclusive, teve impacto na nova Classificação Internacional de Doenças e Problemas relacionados à Saúde (CID-11), que passou a considerar os modelos de diagnóstico energético das Medicinas Tradicionais, aliado à taxonomia utilizada nos diagnósticos da Medicina Tradicional Chinesa, Japonesa e Coreana. A partir dessa mudança, foram criados padrões e códigos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que permitem aos profissionais o registro de suas avaliações como, por exemplo, “Padrão de estagnação do Qí do Fígado (SF57), possibilitando a inserção destes em pesquisas científicas que investigam recursos terapêuticos como Acupuntura, Práticas Mente e Corpo, e Fitoterapia.

Você sabia que é possível oferecer serviços de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional à população por meio da utilização de portarias de saúde?

E você sabia que, ao disponibilizar as Práticas Integrativas e Complementares em Saúde, as chamadas PICS, você está promovendo saúde, prevenindo doenças e, consequentemente, reduzindo os gastos com fármacos e com internação hospitalar? Invista em bons hábitos! Conheça as PICS e veja como oferecer serviços de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.