• 28 de maio de 2022 19:09

61 Brasilia

Portal de Notícias de Brasília

Cappuccino

Pandemia aumenta problemas relacionados ao nervo ciático

61brasilia

By61brasilia

out 26, 2020
Advertisement

Pandemia aumenta problemas relacionados ao nervo ciático 

Home office e hábitos diários podem potencializar incômodos na coluna e nos membros inferiores. Médico ortopedista explica como as dores surgem e o que pode ser feito para minimizar os sintomas

Há quase oito meses, o coronavírus mudou a rotina de milhões de brasileiros. Devido à pandemia ocasionada pela Covid-19, inúmeras atividades do dia a dia tiveram que se readequar aos novos padrões impostos pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Dentre as mudanças, o home office passou a ser uma realidade para grande parte dos trabalhadores. Hoje em dia, 70% dos funcionários gostariam de permanecer neste tipo de modalidade trabalhista, de acordo com a pesquisa do professor André Fischer, da Fundação Instituto de Administração (FIA).

Apesar de ser benéfico para inúmeras pessoas, o teletrabalho tem gerado problemas a longo prazo para a saúde, principalmente no que diz respeito ao surgimento da dorsalgia, condição relacionada à dor na área da coluna vertebral. A mais comum – e uma das mais incômodas – envolve o nervo ciático, que se inicia no final da coluna e percorre a parte inferior do corpo, passando pelos glúteos, coxa e joelho até chegar aos pés.

“Na coluna lombar existe uma união dos nervos que saem da vértebra L3 e vão até a S1, formando o famoso nervo ciático. Quando há alguma inflamação na coluna capaz de irritar algum desses nervos, a dor é irradiada para as áreas dos membros inferiores, sendo denominada dor ciática”, explica Márcio Silveira, médico ortopedista da clínica Salus Ortopedia, localizada em Brasília.

O home office entra como “vilão” no aumento dos casos relacionados às dores nas costas por conta da má postura gerada a partir do uso de móveis inadequados para longas jornadas de trabalho. Além disso, o quadro tende a piorar justamente pelo fato do profissional ficar sentado por mais tempo do que o indicado, o que pode sobrecarregar a postura e desencadear em um quadro de desgaste estrutural na área do ciático.

Dr. Silveira ainda pontua que alguns fatores em específico podem potencializar o surgimento da dor. “Podemos citar fatores constitucionais, como aumento de peso, fraqueza dos músculos paravertebrais e abdominais e frouxidão ligamentar. A sobrecarga na região lombar ao erguer pesos excessivos também pode ocasionar a irritação. Não podemos deixar de destacar que os hábitos de vida diários, como fumo, alcoolismo e sedentarismo, também são fatores de risco”, explica.

O especialista pondera que, apesar do incômodo persistente, o problema pode ser resolvido facilmente com a mudança de algumas atitudes na rotina, como dormir em colchões adequados para a manutenção da postura durante o sono e a utilização de cadeiras ergonômicas. Na hora de levantar pesos, o cuidado deve ser redobrado: é preciso manter as costas retas e agachar no momento que for realizado o movimento para a elevação do objeto.

“Pessoas que passam longos períodos sentadas, como motoristas e trabalhadores administrativos, devem mudar de posição de vez em quando para descontrair e exercitar os músculos para evitar a sobrecarga na região lombar. Fazer atividades físicas regulares também é fundamental para manter o físico e a força muscular”, aconselha.

Caso não haja melhoras apesar de todos esses cuidados, é preciso recorrer a um profissional para que seja possível realizar um diagnóstico da situação. A partir disto, o primeiro passo com o especialista da área será voltado ao controle da dor, que pode ser feito inicialmente por meio de anti-inflamatórias e analgésicos. O repouso também se torna um grande aliado para o tratamento e, dependendo dos casos, pode durar de dois a sete dias.

O médico chama atenção para o repouso prolongado, passando do tempo estipulado pelos profissionais da Saúde, visto que pode levar a atrofia muscular, dificultando a reabilitação e aumentando a incapacidade do indivíduo.

“Nos casos de dores crônicas, pode-se usar medicações psicotrópicas e antidepressivos, por conta das suas propriedades analgésicas e miorrelaxantes. Analgésicos opióides fracos ou potentes também podem ser necessários”, complementa.

Sobre a Salus – Desde 2017 no mercado brasiliense, a Salus Ortopedia é uma empresa responsável por fazer atendimentos voltados à Ortopedia e Fisioterapia, com a possibilidade de realizar tratamentos conservadores para evitar cirurgias e tratamento da dor crônica.

Entre as especialidades da clínica, estão os atendimentos médicos, geriátricos e fisioterápicos. Além disso, são disponibilizados atendimentos ligados à Acupuntura, Pilates, RPG, terapia por ondas de choques, avaliações de força muscular e do movimento.

A empresa conta com uma equipe médica ortopédica especialista, onde todos possuem o título da Sociedade Brasileira de Ortopedia e com devido RQE. A clínica aceita a maioria dos convênios e faz preço particular diferenciado na região, oferecendo muita qualidade no serviço.

 

SERVIÇO:

Salus Ortopedia

Ceilândia Sul

QNM 17 – Conjunto H, Lote 30 – Ed. São Miguel – Salas 201 e 203

Telefone: (61) 3371-5937

Asa Norte

Centro Clínico Vital Brazil – Salas 342, 344 e 346

Telefone: (61) 3349-1186

Taguatinga Norte

QND 47 – Lotes 17/18 – Sala 104 e 105 – Avenida Comercial Norte

Telefone: (61) 3371-5937

Site: https://salusortopedia.com.br/

Instagram: https://www.instagram.com/salusortopedia/

Facebook: https://www.facebook.com/salusortopedia/

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.