Our website is made possible by displaying online advertisements to our visitors. Please consider supporting us by whitelisting our website.
  • 28 de setembro de 2022 14:08

61 Brasilia

Portal de Notícias de Brasília

Paulo Octavio marco 2022

Control Risks divulga os principais riscos para os negócios em 2022

61brasilia

By61brasilia

nov 25, 2021
Advertisement

Principal consultoria de riscos do mundo divulga relatório anual RiskMap 2022

O mundo dos negócios terá que se defender sozinho contra uma variedade desafiadora de riscos em 2022, à medida que os governos buscam se afastar de um cenário de ameaças em rápida evolução. O alerta vem no momento em que a Control Risks, principal consultoria em riscos do mundo, lança sua previsão anual de riscos voltados para o setor privado, o RiskMap 2022 . No relatório, são revelados os principais riscos para 2022, incluindo os políticos, de segurança, terrorismo, cibernético, operacional e de reputação.

A previsão traz três pontos principais:

• Os governos não podem mais proteger adequadamente suas próprias instituições e muito menos suas economias contra as ameaças cibernéticas. A proliferação exponencial de agentes hostis e uma variedade de ataques em expansão são desafios complexos demais para serem cobertos eficazmente. As empresas e organizações terão que se defender por si próprias.

• A zona de conforto geopolítico dos últimos 70 anos, tal como era, foi desmontada e deixada à deriva pela retirada dos EUA do Afeganistão. O mundo começará a funcionar de forma diferente em 2022, mas ninguém ainda tem certeza de como ou quem dominará um novo sistema global.

• Condições meteorológicas extremas e desastres naturais causados pelas mudanças climáticas serão tão frequentes que nem os países nem as empresas terão mais condições de responder a cada evento individualmente. O gerenciamento da crise climática e a adaptação a ela devem estar no centro da estratégia global de todas as empresas.

Os principais riscos também cobrem os desafios de segurança colocados pelo número crescente de Estados frágeis e disfuncionais, uma ameaça terrorista fragmentada e o risco de reputação associado a respostas inadequadas às questões ESG (Environmental, Social and Governance). ‘Entre muitos dos riscos previstos para 2022, está claro que, se o seu foco é segurança cibernética, mudança climática, geopolítica ou terrorismo, o período é de transição, e ainda não está claro até onde temos que ir em muitas áreas’, comentou Nick Allan, CEO da Control Risks.

Os principais riscos para os negócios em 2022

Risco político: o grande reposicionamento geopolítico

Em 2022, as empresas precisarão monitorar e gerenciar o risco geopolítico de forma mais minuciosa  do que tem feito há anos. O grande reposicionamento geopolítico fará com que os atores mundiais redefinam não apenas o que defendem, mas também onde e como assumem essa posição. Alianças e alinhamentos estarão em jogo. Para os negócios, isso fará toda a diferença, desde garantir o abastecimento de energia até a resiliência da cadeia de abastecimento, como alcançar a sustentabilidade, até fornecer liderança baseada em valores, garantindo a segurança e acelerando o crescimento fora da pandemia – ou seja, a geopolítica moldará as oportunidades e os riscos em jogo em todas as frentes.

Risco de segurança: o aumento de Estados disfuncionais, frágeis e vulneráveis

O maior risco de segurança para as empresas, em 2022, vem do aumento global de Estados disfuncionais, vulneráveis e frágeis. Em todo o mundo, a pandemia da COVID-19 diminuiu a capacidade estatal de absorver e gerenciar tanto choques externos quanto desafios internos. A fragilidade política e institucional no sul global continuará a se manifestar em conflitos, colapsos de países, golpes e severas crises econômicas. No próspero mundo desenvolvido, economias tradicionalmente estáveis apresentarão um ambiente de segurança desafiador devido à agitação social, ao ativismo radical e ao aumento da criminalidade. .

Risco de terrorismo: COVID-19 e o Talibã impulsionam diversas ameaças terroristas

O terrorismo em 2022 será moldado por dois fatores principais: a pandemia da COVID-19 e a conquista do Afeganistão pelo Talibã. Esses dois eventos representam diferentes tipos de ameaças, porém ambos contribuem para um cenário de ameaças cada vez mais diversificado. O impacto da COVID-19 agravou clivagens e divisões que geram conflitos, terrorismo e extremismo. A crise também enfraqueceu os esforços de contraterrorismo dos governos. Após a tomada do poder pelo Talibã, o principal risco em 2022 é que o Afeganistão se torne um porto seguro para grupos terroristas de alcance internacional.

Risco cibernético: negócios em um mundo de ameaças cibernéticas não resolvidas

Em 2022, a escalada das ameaças cibernéticas em todo o mundo se tornará uma questão de sobrevivência para as organizações. Para as empresas, a responsabilidade pela defesa contra essas ameaças é clara: as empresas terão de agir por conta própria à medida que as capacidades cibernéticas ofensivas se proliferam entre um número crescente de atores estatais e não-estatais. Somado a isso, existe a tendência de rápido avanço da colaboração entre Estados e criminosos virtuais. Com as seguradoras questionando a viabilidade de cobrir eventos cibernéticos de impacto, as empresas estão olhando para um mundo onde a responsabilidade pelo risco cibernético não é clara.

Risco operacional: Prepare-se para a vanguarda das mudanças climáticas

Perigos naturais e condições meteorológicas extremas causadas por mudanças climáticas serão o principal risco operacional que as organizações enfrentarão em 2022. Esse risco inclui um número quase ilimitado de stakeholders e um escrutínio intenso de como as empresas gerenciam ou deixam de gerenciar o risco. A pressão para que as empresas façam a sua parte no combate às mudanças climáticas é real e a necessidade de estarem preparadas para os seus impactos é crítica. O ano que vem é o momento de se adaptar, obter vantagem competitiva, sobreviver e até mesmo prosperar. As organizações que ignorarem as mudanças climáticas sofrerão as consequências.

Risco de reputação: tropeços em direção ao ESG

Em 2022, os riscos de um erro relacionado a ESG aumentarão à medida que a pressão para pontuar nos índices de sustentabilidade colide com um público alerta ao greenwashing (a prática de promover discursos com características ecologicamente/ambientalmente responsáveis e sustentáveis, mas que , na prática, não ocorrem). Em 2022, as empresas precisam se concentrar em três pontos: grande investimento em iniciativas de ESG; mensuração de impacto (e não apenas as políticas adotadas); e não perder de vista as questões sociais e de governança associadas ao risco climático, que estão cada vez mais nas manchetes. Para cada empresa que pergunta se o ESG nada mais é do que a última tendência ou a palavra da moda corporativa, a resposta é, decididamente, ‘não’.

Saiba mais:

O site RiskMap 2022 está no ar desde terça-feira, 16 de novembro de 2021. O site apresenta conteúdo multimídia sobre os principais riscos, mapas interativos detalhando riscos políticos, de segurança, operacionais, cibernéticos e de terrorismo em todo o mundo e análises apresentando percepções regionais.

Classificações de RiskMap: em Risco Político e de Segurança

O RiskMap 2022 traz uma ampla gama de mudanças em nossas classificações de risco. Estas são previsões para o ano, não a classificação de um país no dia em que o RiskMap é publicado. A lista abaixo é uma seleção dos risers e fallers mais proeminentes em todo o mundo.

Medição dos Riscos em nível Global

Risco político

Bulgária: a classificação de risco político sobe de MÉDIO para ALTO. Isso vem em reconhecimento de um cenário político altamente fragmentado e uma coalizão instável que deve se formar no início de 2022.

Colômbia: o risco político sobe de BAIXO para MÉDIO. Prevemos que um presidente de esquerda vencerá as eleições de maio de 2022, o que desencadeará uma combinação desestabilizadora de deterioração da formulação de políticas e declínio da confiança empresarial.

Tailândia: o risco político cai de ALTO para MÉDIO. É improvável que o grau de instabilidade do regime interrompa significativamente ou frequentemente as operações do setor privado.

Reino Unido: o risco político cai de MÉDIO para BAIXO. A esmagadora maioria parlamentar do Partido Conservador deve permitir que ele legisle sem muitos problemas.

Risco de segurança

Afeganistão: o risco de segurança sobe de ALTO para EXTREMO. O Talibã está no controle. Ou talvez não, que é um dos elementos de volatilidade naquele país para o próximo ano. O risco é muito alto de que o Afeganistão se torne um porto seguro para terroristas com ambições dentro e fora de sua fronteira.

Etiópia: o risco de segurança passa de MÉDIO para ALTO, em meio a um conflito em expansão, mas já em curso, entre o governo federal e grupos armados de oposição aliados da Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF).

República Democrática do Congo: risco de segurança para áreas dentro de 200 km da República Centro-Africana e da fronteira com o Sudão do Sul cai de EXTREMO para ALTO. O mesmo vale para a metade norte de Tanganica e Kivu do Sul.

Chile: as províncias de Biobío, Arauco, Malleco e Cautín passam de risco de segurança BAIXO para MÉDIO.

Mianmar: o risco de segurança sobe de MÉDIO para ALTO. Esta revisão ocorre em meio à violência política persistente entre grupos de resistência civil e as forças armadas (o Tatmadaw) após o golpe militar no início de 2021.

Bielorrússia: o risco de segurança diminui de ALTO para MÉDIO. Esta mudança reflete nossa visão de que os dias mais turbulentos da Bielorrússia – em 2022, pelo menos – podem ter ficado para trás.

Sobre a Control Risks

A Control Risks é uma consultoria especializada em riscos globais que ajuda a criar organizações seguras, compatíveis e resilientes em uma era de riscos em constante mudança. Trabalhando em várias disciplinas, tecnologias e geografias, tudo o que fazemos é baseado em nossa crença de que correr riscos é essencial para o sucesso de nossos clientes. Fornecemos aos nossos clientes a visão para alocar recursos e garantir que estejam preparados para resolver os problemas e crises que ocorrem em qualquer organização global ambiciosa. Vamos além da solução de problemas e fornecemos o insight e a inteligência necessários para perceber oportunidades e crescer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.