Our website is made possible by displaying online advertisements to our visitors. Please consider supporting us by whitelisting our website.
  • 26 de setembro de 2022 00:27

61 Brasilia

Portal de Notícias de Brasília

Cappuccino

Brasilianês, um ‘idioma’ de múltiplas influências

61brasilia

By61brasilia

abr 18, 2022
Advertisement

Brasilianês, um ‘idioma’ de múltiplas influências

Linguistas analisam o sotaque de quem nasceu e foi criado na capital do país e, com o passar do tempo, desenvolveu um jeito próprio de falar, mas repleto de referências

É bem provável que um jeito mais cantadinho de falar, “comendo” as últimas sílabas de palavras no diminutivo e acrescentando um “nó, “nuh” ou “trem”, tenha origem fácil de ser identificada. Ou que um chiado provocado pelo x no lugar do s, acompanhado de um “mermão”, remeta diretamente a outro lugar do Brasil. Mas, e se você quiser saber qual é o jeito de falar de quem nasceu na capital do país?

Segundo estudos da linguista Carolina Queiroz, as duas primeiras gerações de brasilienses desenvolveram peculiaridades no sotaque até então neutralizado

Quando Brasília foi fundada, pessoas de todos os cantos do país atenderam ao chamado do presidente Juscelino Kubitschek e vieram de mala e cuia para cá. Trouxeram consigo identidades regionais e linguísticas – o que inclui o jeito de falar. Formações dialetais, de tão distintas, foram, com o passar do tempo, se neutralizando – e assim foi nascendo o sotaque brasiliense.

No documentário Fala Brasília, de 1966, o cineasta Nélson Pereira dos Santos aborda, em 12 minutos, a futura geração de habitantes da nova capital, formada por uma população com modos peculiares de falar, resultantes da mistura de diferentes modismos.

“Temos por aqui um sotaque semelhante ao de um apresentador de telejornal nacional, neutralizado, com elementos e influências de vários estados brasileiros”, resume a pesquisadora Carolina Queiroz, do Departamento de Linguística da UnB| Foto: Renato Araújo/Agência Brasília

Peculiaridades

A pesquisadora e professora da pós-graduação do Departamento de Linguística da UnB Carolina Queiroz explica que todo grande contingente migratório causa isso. Autora de uma dissertação de mestrado e de uma tese de doutorado sobre o sotaque brasiliense, ela constatou que a primeira e a segunda gerações de nascidos na cidade deram prosseguimento a esse sotaque neutro, mas com algumas peculiaridades.

“Temos por aqui um sotaque semelhante ao de um apresentador de telejornal nacional, neutralizado, com elementos e influências de vários estados brasileiros”, resume a pesquisadora. Minas Gerais é o estado com maior contingente de migrantes. E os estados nordestinos, juntos, fazem do Nordeste a maior região de forasteiros. Não é à toa a influência.

Os modos típicos de falar de Minas e dos estados do Nordeste predominam na composição da fala brasiliense

Por aqui, você já virou . Mas quem domina mesmo é o tu – com ligeira diferença da concordância dos usados nos estados do Sul ou do Nordeste. Os brasilienses também falam sibilando – como os mineiros de Belo Horizonte, com o s prolongado, mas, diferentemente deles, produzindo ditongos em uma das sílabas. Para exemplificar, os de lá falam “dezsss” e os daqui, “déizsss”.

Stella Maris Bortoni é professora titular aposentada de Linguística da UnB e tem uma bagagem extensa de estudos sobre o tema. Para ela, o modo de falar dos jovens de Brasília não preserva marcas identificáveis de outros grupos, o que não quer dizer que seja neutralizado. “Aqui o sotaque é cada vez mais marcado pela curva melódica das palavras, mas não pelos traços típicos de falares regionais”, observa.

E é em Brasília que a mesma pessoa tem no seu vocabulário o uso de expressões como uai e ôxe – que, respectivamente originárias de Minas e de estados do Nordeste, são expressões de espanto. Sem falar na abreviatura de cachoeira para “cachu” e de tomar banho por “banhar”.

Uai, ôxe, cachu

Mas é em Brasília que a mesma pessoa tem no vocabulário o uso de expressões como uai e ôxe – que, respectivamente originárias de Minas e de estados do Nordeste, são expressões de espanto. Sem falar na abreviatura de cachoeira para “cachu” e de tomar banho por “banhar”. E do bom e famoso “véi”, que deixou de ser uma gíria e passou a ser uma palavra com múltiplas funções no dialeto do brasiliense.

“Muitos traços de variedades linguísticas localizadas nessa região do país podem ter origem histórica, [revelando] o modo como as terras do Centro-Oeste foram colonizadas, o perfil sociolinguístico das populações que vieram para cá e o tipo de contato que se estabeleceu ou que deixou de se estabelecer entre essas populações”, reforçou o doutor em linguística Marcus Lunguinho durante o II Congresso Internacional de Estudos Linguísticos da UnB de 2016.

Universal desde sua fundação, a capital federal acaba sendo uma espécie de escola onde todos os sotaques, enfim, se misturam, produzindo, ao longo do tempo, a marca própria a diferenciá-la dos demais estados.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.