Our website is made possible by displaying online advertisements to our visitors. Please consider supporting us by whitelisting our website.
  • 26 de setembro de 2022 01:05

61 Brasilia

Portal de Notícias de Brasília

Paulo Octavio marco 2022

O luto através do cinema: Filme brasiliense retrata o processo após a morte de alguém querido 

61brasilia

By61brasilia

set 2, 2022
Advertisement

O luto através do cinema: Filme brasiliense retrata o processo após a morte de alguém querido

Com estreia gratuita dia 3 de setembro em Taguatinga, “O que Guardo de Você” conta a história de um rapaz que perdeu a irmã e precisou lidar com seus medos e monstros

De que forma cada um de nós aceita a perda? O luto é algo que acontece ao menos uma vez na vida de todas as pessoas, de qualquer parte do mundo. A chave para entender esse momento é perceber que ele é diferente para cada pessoa. No curta “O que Guardo de Você” escrito e dirigido pelo roteirista brasiliense André Luiz, relata sua vivência pessoal após o falecimento de sua irmã. O filme estreia dia 3 de setembro (um dia antes do que seria o aniversário da irmã), às 19h, com entrada gratuita no espaço Caracas Véi, em Taguatinga, no Distrito Federal.

A trama conta a história de um rapaz que volta até a casa de sua família para tentar se isolar de tudo após passar por uma grande perda familiar em 2021, no auge da pandemia provocada pela Covid-19. Essa fuga que ele busca, representa um perigoso comportamento de não ver mais sentido na vida. O curta mostra o personagem principal lidando com seus medos e monstros. Entre memórias e silêncios, o enredo se aprofunda ao falar sobre o que é a perda e talvez o que significa lidar com ela.

Para o diretor, ele viu no curta uma possibilidade de lidar com a própria dor e tentar alcançar as pessoas por meio dos personagens análogos à sua vida. “Eu comecei a enxergar esses personagens como um reflexo meu, como o meu ambiente familiar, como as emoções que eu sinto, e isso me ajudou bastante tanto a entender o que eu estava passando, quanto a verbalizar a forma como eu enxergava meus sentimentos”, disse André.

Iury Persan, ator que dá vida ao rapaz, comenta que o distanciamento provocado pelas medidas de segurança da pandemia acabaram ajudando a falar sobre o distanciamento físico dos personagens. No processo de criação, o olhar pesado foi só mais uma entre outras descobertas sobre o personagem. “Tinha uma revolta na minha respiração que me ajudou muito a trazer estados que observei em situações pessoais de perda e que me fizeram chegar em lugares, reativar lugares onde eu realmente tinha passado”, relata o ator.

Para a atriz Gabriela Rabelo, que vive a mulher na história, o curta foi uma experiência gratificante e desafiadora. Por meio da troca e da parceria de cena com Iury, conta que foi possível adicionar camadas à personagem, onde o silêncio também comunica e se faz importante. Para Gabriela, a mulher pode gerar identificação pela representação das batalhas internas. “A mulher foi uma personagem muito misteriosa. Soou para mim quase como uma figura mística. Por isso a considero uma presença mágica, agridoce e às vezes até contraditória”, conta a atriz.

Produção independente

O curta-metragem, que tem duração de 20 minutos, foi um resultado de mais de dez versões de roteiro, diversos ensaios remotos, três dias de gravação e mais de dez pessoas para ser executado. Era o espaço que o André encontrou para falar de “nós” como uma despedida e promessa à sua irmã, porém se tornou um espaço que abrigou mais pessoas que também precisavam de um acolhimento para trabalharem a sua (e com a sua) dor. Infelizmente ambos atores também haviam perdido entes queridos.

Filmado na Ceilândia, sem patrocínio e com o apoio de amigos, o curta também tenta motivar novos criadores e produtores de conteúdo da cidade a mostrarem seus trabalhos. “Quero mostrar que nessa cidade existe um polo artístico-criativo muito grande em expansão e se eu puder ajudar alguém a fazer o mesmo vou me sentir muito grato”, destaca André. O curta rendeu o prêmio de Melhor Cartaz Centro-Oeste por Júri Popular pelo Cine Ilustríssimos, em 2021. Também foi finalista de Melhor Roteiro Não Produzido e como Melhor Desenvolvimento, ambos em Categoria Nacional, pelo Caw Cine, em 2021

PROGRAME-SE:

Quando: dia 3 de setembro, às 19h.

Local: Caracas, véi – St. L Norte EQNL 2/4 Bl B – Taguatinga

Entrada: Franca

Sobre “O que Guardo de Você” – Dirigido por André Luiz e filmado em Ceilândia – cidade satélite de Brasília, o curta metragem é fruto de uma realização coletiva entre o diretor e as produtoras Renata Sampaio e Mariana Alves, por meio do selo Nosotros, um projeto multimídia que reúne além do curta, um podcast. O projeto fez parte da tese de mestrado do diretor.

Ficha Técnica

Roteiro e Direção: André Luiz

Mulher por Gabriela Rabelo

Rapaz por Iury Persan

Produção Executiva: André Luiz, Mariana Alves e Renata Sampaio

Direção de Produção: Renata Sampaio e Mariana Alves

Câmera: Marcos Soares

Direção de Fotografia: Marcos Soares, André Luiz e Renata Sampaio

Montagem: Marcos Soares e Thiago Araújo

Direção de Arte, Assistente de direção e Figurino: Renata Sampaio

Trilha Sonora: Taís Cardoso e Raquel Reis

Obra Musical: O Que Guardo de Você

Maquiagem: Maria Elisa

Platô, Preparação de Elenco e Som direto: Mariana Alves

Continuísta: Raquel Gomes

Áudio: Marcos Soares

Apoio: Miracena e Ara Filmes

Realização: Nosotros

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.