21.5 C
Brasília
quarta-feira, maio 22, 2024

Com a aprovação de moradores, Viva W3 já colhe êxitos

Date:

Share post:

Com a aprovação de moradores, Viva W3 já colhe êxitos

Cresce adesão popular ao projeto que fecha a via para esportes e o lazer aos domingos e feriados

A proposta surgiu de uma ideia do governador Ibaneis Rocha de revitalizar e resgatar a história daquela que já foi a principal avenida comercial de Brasília. Começava em 2019 um debate com comerciantes e moradores para criar na W3 Sul um dia de lazer. Inicialmente, a sugestão era fechar o trânsito de veículos aos sábados, de manhã ou à tarde, priorizando a circulação de pedestres em frente às lojas ainda abertas.

O projeto enfrentava resistências e buscava amadurecimento, até que a sugestão de criar o Viva W3 aos domingos e feriados, aos moldes do Eixão do Lazer, ganhou força em meio à necessidade de expandir os espaços públicos de esporte e lazer da população durante a quarentena.

Sem carros e ônibus e com policiamento reforçado, a segurança na via aumentou, assim como o silêncio dos motores, que sumiu das 6h às 17h.

Neste domingo (21), o fechamento da avenida entre as quadras 503/703 e 515/915 Sul segue em sua terceira edição e surpreende pela adesão popular à iniciativa do Governo do Distrito Federal (GDF). “Pela primeira vez eu olhei para a W3 Sul. Caramba, a W3 é um lugar legal, que existe, apesar de esquecida e degradada, com muita história. E é pensada para ser a principal avenida comercial da cidade”, comenta o bancário Roberto Nogueira Zambon, 60 anos.

O Viva W3 é gerido pelo GDF por meio de um comitê integrado envolvendo diversas secretarias – como a de Transporte e Mobilidade; de Esportes; de Políticas Públicas; de Governo; de Segurança Pública; e órgãos, como a Novacap e o Serviço de Limpeza Urbana (SLU).

Consulta popular

Em agosto de 2019, o GDF já se reunia com o setor produtivo da avenida para ouvi-los sobre a proposta de humanização da via. “A premissa do nosso governo, tanto nesse quanto em outros projetos, é, desde o início, ouvir os moradores e comerciantes da região, numa tomada de decisões que partisse de baixo para cima”, explica o governador Ibaneis. Vários estudos de intervenção do trânsito, desvio das rotas do transporte coletivo para as W4 e W5 e mapeamento dos pontos, além dos impactos na região, foram feitos até o resultado final.

“Foi uma decisão muito acertada. Não duvido que esse movimento do GDF vai resgatar a avenida e todos vão sair ganhando”, aprova Roberto Nogueira Zambon, que mora na 705 Sul e se tornou um entusiasta da proposta de trazer o lazer para mais perto da vizinhança. Nos dois primeiros dias de fechamento da via, ele aproveitou para correr e diz ter ficado muito impressionado com o que viu.

Para as pessoas

Já Marcontoni Montezuma morou na W3 de 1984 a 1997. Casou-se e saiu de lá, mas em 2014 voltou com a mulher e filhos. Com eles, caminha nos finais de tarde pela Asa Sul e curtiu fazer isso na porta de casa, no feriado de Corpus Christi. Nas palavras do engenheiro de 50 anos, o que se viu foram “famílias e mais famílias, ciclistas e só rostos alegres e pessoas se divertindo”. Em conversa com a Agência Brasília, ele resume aquele que considera o melhor comentário que ouviu. “Não se fechou a W3 para os carros, e, sim, a abriu para as pessoas.”

A advogada pública Renata Lima, 47 anos, pretende experimentar a caminhada no asfalto da W3 Sul neste domingo (21). O marido e o irmão já estiveram por lá duas vezes com os filhos e a aprovação foi entusiasmada. “Como toda iniciativa, requer a adaptação das pessoas que cada vez mais aprovam a ideia”, diz ela, que participa de um grupo de WhatsApp da vizinhança, na 705 Sul, onde a resistência era grande no começo. “Foi conhecer e as opiniões mudaram drasticamente.”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Vida à W3

É o que também pode perceber o prefeito da W3 Sul, Paulo Melo. Desde o lançamento do projeto, as queixas de quem não o conhecia foram tomadas por elogios à proposta de criar um espaço de lazer gratuito, ao ar livre e que atende um público diferente do Eixão do Lazer e do Parque da Cidade, com mais casais com crianças, idosos e até cadeirantes. “Não há aglomerações, as pessoas respeitam o uso de máscaras e se distraem. Dá muito mais vida à W3”, define.

Por:AGÊNCIA BRASÍLIA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

publicidade

Related articles

Anna Tréa faz turnê pelo Brasil, depois de temporada na Europa

Foi durante uma viagem para acompanhar a turnê de Arringo Barnabé, que Anna Tréa se apaixonou por Barcelona. Anos depois,...

Conheça três hábitos de limpeza que parecem eficientes, mas não são

Muita espuma não é sinal de limpeza e sabão em pó é prejudicial para pisos Existem muitos mitos sobre...

Capital receberá o primeiro Festival da Cachaça de Brasília

O evento será realizado de 22 a 26 de maio, no completo do Mané Mercado. Além da degustação...

Impactos positivos de shows e festivais para bares e restaurantes

Integração com público colabora com o aumento do faturamento, além de atrair visibilidade para as redes O mercado de...