20.5 C
Brasília
terça-feira, março 5, 2024

A Xilogravura Popular: Xilógrafos, Poetas e Cantadores

Date:

Share post:

A Xilogravura Popular: Xilógrafos, Poetas e Cantadores

Museu Nacional da República recebe mostra que reúne cerca de 300 obras assinadas por gravadores, poetas e cordelistas renomados

A rigidez da madeira é moldada e se torna maleável para acomodar a poesia. Os talhos se transformam em animais, em gente e em cenários imaginários. Assim, nasce o casamento da xilogravura com a literatura de Cordel, que narra a criatividade do imaginário do nordeste brasileiro. Com a intenção de apresentar essa técnica de ilustração, que chegou ao Brasil no século 19, Brasília será a sede da exposição A Xilogravura Popular: Xilógrafos, Poetas e Cantadores, em cartaz no Museu Nacional da República de 27 de novembro de 2018 a 10 de fevereiro de 2019. Edna Pontes e Fábio Magalhães assinam a curadoria. Patrocínio Eletrobras

A mostra estreia na capital federal e reúne cerca de 300 xilogravuras, além de matrizes de xilogravuras e álbuns de Cordel, que recontam um pouco da trajetória dessa arte popular. A maioria das obras, no entanto, são ilustrações independentes da literatura e surgiram, justamente, quando essa arte passou a despertar o interesse dos intelectuais e artistas modernos e ganharam brilho próprio.

“A mudança ocorre por volta dos anos 1950, quando a xilogravura que ilustrava esses folhetos é substituída por fotos e pela zincogravura. Ao mesmo tempo, porém, os gravadores começam a receber encomendas para produzir uma xilogravura independente do Cordel e começam a fazer as ilustrações em um tamanho muito maior de o tradicional 15×7”, explica Fábio Magalhães.

O público terá acesso a peças de acervos pessoais e de museus, assinadas por gravadores, poetas e cordelistas renomados como Ariano Suassuna, Dila, Jota Borges, Samico, Mestre Noza, Palito, entre outros. Elas estarão reunidas pelas diferentes temáticas que representam, como costumes populares; cenas religiosas – milagres e crenças; bichos fantásticos – dragões, leão alado, pavão misterioso –; além de romances e aventuras do cangaço.

Trechos das histórias de Cordel também serão apresentados ao público, assim como as narrativas dos cantadores e dos repentistas. “Incluímos, também, obras de artistas plásticos que, muito embora não façam parte da denominada arte popular, produziram xilogravuras com linguagens de ‘parentesco’ com o Cordel”, acrescenta Fábio.

 

 SERVIÇO:

 

A Xilogravura Popular: Xilógrafos, Poetas e Cantadores

 

Data: De 27/11/2018 a 10/02/2019.

Local: Museu da República

Endereço: Setor Cultural Sul, lote 2, próximo à Rodoviária do Plano Piloto.

Horário: De terça a domingo, de 9h às 18h30.

Entrada franca

Classificação indicativa: livre

Informações: 3325-5220

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

publicidade

Related articles

Zé Torresmo: a junção dos prazeres da carne com a culinária caipira

A revista 61 Brasília participou do “soft opening” no sábado (2), do restaurante “Zé Torresmo”, localizado na CLN...

UDF oferece serviços jurídicos gratuitos para população

Docentes e alunos do curso de Direito fornecem atendimento das áreas cível, trabalhista e penal  O Centro Universitário do...

Ilustradoras negras lançam versão em quadrinhos de Quarto de Despejo

Lançamento marcará passagem dos 110 anos da escritora Escrito a partir das memórias da catadora de papel Carolina Maria...

Profissionais de saúde se mobilizam para atender casos de dengue no DF

Governador decretou emergência na saúde do Distrito Federal Em meio ao avanço da dengue no Distrito Federal – uma...