21.5 C
Brasília
sexta-feira, fevereiro 23, 2024

FGV: Confiança da construção sobe 0,7 ponto em março, para 82,1 pontos

Date:

Share post:

FGV: Confiança da construção sobe 0,7 ponto em março, para 82,1 pontos

O Índice de Confiança da Construção (ICST), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 0,7 ponto em março ante fevereiro, alcançando 82,1 pontos. Dessa forma, o primeiro trimestre foi encerrado com uma alta de 2,9 pontos ante o trimestre anterior e de 7,2 pontos, sem ajuste sazonal, sobre o mesmo trimestre de 2017.

A coordenadora de Projetos da Construção do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), Ana Maria Castelo, afirma que, neste mês, a confiança no setor retomou a trajetória positiva observada desde junho do ano passado. Segundo ela, a alta apurada no trimestre “reforça as projeções de crescimento setorial”. “Por outro lado, os sinais positivos ainda estão restritos a poucas atividades, destacando-se principalmente o segmento de Edificações”, pondera.

O avanço da confiança da construção no mês está relacionado a melhores avaliações sobre a situação corrente e sobre as expectativas. O Índice da Situação Atual (ISA-CST) aumentou 0,9 ponto, atingindo 71,4 pontos, o maior nível desde julho de 2015 (71,7 pontos). A principal contribuição para esse movimento foi a percepção sobre a situação atual da carteira de contratos, que avançou 1,4 ponto, passando a 68,9 pontos. Mas a FGV destacou que esse indicador ainda está 30 pontos abaixo da média de 2013, último ano de crescimento do setor.

O Índice de Expectativas (IE-CST) subiu em março, com alta de 0,5 ponto, atingindo 93,2 pontos, com destaque para a demanda para os três meses seguintes, que cresceu 1,4 ponto, na margem, para 92,1 pontos.

Já o Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) continuou recuando (-0,5 ponto) e chegou a 65%. Em relação aos NUCIs para Mão de Obra e de Máquinas e Equipamentos, as variações foram opostas: -0,7 e 1,1 ponto porcentual, respectivamente.

Edificações

Segundo a FGV, a alta da confiança registrada pelo segmento de Edificações reflete exclusivamente a percepção mais favorável dos empresários do ramo Residencial: nos primeiros três meses do ano, o ICST de Edificações Residencial foi o que mais contribuiu para o aumento da confiança do setor.

A instituição ainda avalia que esse desempenho da confiança de Edificações Residenciais indica que a situação do segmento continuou favorável no início de 2018 depois de melhores dados no ano passado. Em 2017, segundo a FGV, os resultados da Associação Brasileira de Incorporação Imobiliária (ABRAIC) mostram que houve aumento no número de lançamentos (29,7%) e nas vendas (15,3%) ante 2016, enquanto o volume de distratos – cancelamento de vendas – diminuiu.

“O cenário mais positivo para as empresas do ramo imobiliário residencial corrobora a percepção de que o crescimento do setor em 2018 será impulsionado pela habitação. Mas é importante lembrar que este desempenho continua muito concentrado nos empreendimentos do Programa MCMV, que é dependente dos recursos do FGTS e da Caixa Econômica Federal”, apontou Ana Castelo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

publicidade

Related articles

Em evento do Lide Brasília, governador Ibaneis Rocha e secretário Ney Ferraz anunciam investimentos até R$ 6 bilhões*

Após fechar o ano de 2023 com superávit de R$ 2,6 bilhões nas contas públicas, o Governo do...

Ressaca de Carnaval com Adriana Samartini na Clube.Co

No dia 24 de fevereiro, sábado, o complexo esportivo localizado no Setor de Clubes Sul, promove um animado...

Atividades de verão: conheça cuidados necessários para a saúde da musculatura e articulações

O corpo exige atenção na prática de atividades físicas e esportivas para evitar desconfortos e lesões O verão é...

Gaza: Médicos Sem Fronteiras condena ataque israelense que matou duas familiares de um profissional da organização

Ataque a abrigo de MSF em Al-Mawasi, Khan Younis, também deixou seis pessoas feridas Médicos Sem Fronteiras (MSF) condena...