19.8 C
Brasília
terça-feira, março 5, 2024

Novembro Diabetes Azul: especialistas do CEUB dão dicas sobre a prevenção e o tratamento da doença

Date:

Share post:

Novembro Diabetes Azul: especialistas do CEUB dão dicas sobre a prevenção e o tratamento da doença

Tema da campanha mundial é a importância ao acesso e cuidados com o diabetes

A campanha mundial “Novembro Diabetes Azul” de 2022 traz o tema “Acesso aos Cuidados com o Diabetes”, alertando sobre os riscos da doença, a importância da prevenção e oferece alternativas para as dificuldades enfrentadas pelos pacientes. A professora de Medicina do Centro Universitário de Brasília (CEUB) e endocrinologista Isabella Santiago oferece dicas e alerta que a informação pode salvar vidas. De acordo com dados do Atlas do Diabetes 2021, a doença atinge 10,5% da população mundial com idade entre 20 e 79 anos. No Brasil, são 15,7 milhões de casos registrados em 2022. O país está em 6º lugar do ranking mundial.

Com cuidados que exigem uma rotina rigorosa na vida do paciente com diabetes, o sucesso do tratamento está relacionado às tomadas de decisão. Nesse sentido, além de ter um acompanhamento médico adequado, com medicamentos, medição de glicemia, exercícios físicos regulares, alimentação balanceada e apoio psicológico, o paciente precisa buscar informação e educação de qualidade para combater o problema de saúde.

Professora de Medicina do Centro Universitário de Brasília (CEUB), a endocrinologista Isabella Santiago explica que o diabetes pode ser assintomático na maioria dos indivíduos, a depender dos níveis de glicose no sangue, sendo muitas vezes subdiagnosticado. A hiperglicemia pode ocasionar excesso de urina, sede excessiva, aumento do apetite e, em alguns casos, a perda de peso. Também aumenta o risco para infecções, principalmente as urinárias. “Em situações mais graves o paciente pode apresentar náuseas, vômitos, dor abdominal, confusão e sonolência. O diagnóstico precoce é fundamental para prevenir complicações agudas e crônicas”, ressalta.

Histórico familiar de diabetes, excesso de peso (principalmente se houver aumento da circunferência abdominal), sedentarismo, hipertensão, alteração do colesterol, síndrome dos ovários policísticos e história de doença cardiovascular são alguns dos indicativos para o desenvolvimento da doença crônica. No caso do diabetes tipo 2, é considerada a maior probabilidade com pessoas com idade superior a 45 anos.

Isabella Santiago explica a diferença entre as classificações da doença do tipo 1 e 2. O diabetes tipo 1 corresponde a 5 a 10% dos casos e costuma surgir na infância ou adolescência. Ocorre principalmente devido à uma destruição autoimune das células beta, que são responsáveis pela secreção de insulina. “O paciente com diabetes tipo 1 apresenta um quadro de deficiência completa de insulina. Portanto, o tratamento com insulina é necessário desde o início do diagnóstico”, frisa.

Já o diabetes tipo 2 ocorre por uma deficiência de insulina ou por uma resistência à ação desse hormônio nos tecidos periféricos. É o tipo de diabetes mais comum (90% casos) e se manifesta com maior frequência em adultos. Segundo Isabela, frequentemente o diabetes tipo 2 vem acompanhado de outras doenças, como obesidade, hipertensão e elevação do colesterol. Pacientes com diabetes tipo 2 podem necessitar do uso de insulina quando a glicemia está muito elevada, durante situações de instabilidade clínica ou quando o controle glicêmico não é atingido mesmo com uso de várias medicações orais.

A especialista alerta sobre a importância da informação sobre outros tipos de diabetes, não tão comuns: o diabetes gestacional, diabetes autoimune do adulto (LADA, em inglês latent autoimmune diabetes in adults) e o MODY (Maturity Onset Diabetes of the Young), que ocorre por alterações monogenéticas. “Todos os indivíduos, independentemente de terem diabetes ou não, devem praticar exercícios físicos de forma regular e manter uma alimentação saudável a fim de prevenir diversas doenças crônicas”, alerta Isabella.

Principais complicações
O prolongamento das altas taxas de glicose no sangue pode causar sérios danos à saúde, como a retinopatia ou nefropatia diabética, entre outros – o que pode ocorrer quando a circulação sanguínea é deficiente e a glicemia não está bem controlada. Segundo o farmacologista, professor dos cursos de Medicina e Enfermagem do CEUB, Danilo Avelar, o bom controle da glicose, somado à atividade física e medicamentos que possam combater a pressão alta e o aumento do colesterol e a suspensão do tabagismo, são medidas imprescindíveis de segurança.

Ele alerta ainda que o excesso de glicose pode causar danos ao sistema imunológico, aumentando o risco do paciente contrair algum tipo de infecção. “Isso ocorre porque os glóbulos brancos, que são as células responsáveis pelo combate aos vírus, às bactérias, e a outros micro-organismos ficam menos eficazes com a hiperglicemia. O alto índice de glicose no sangue é propício para que fungos e bactérias se proliferem em áreas como boca e gengiva, pulmões, pele, pés, genitais e local de incisão cirúrgica”, explica.

Prevenção e controle
O especialista do CEUB alerta que pacientes com histórico familiar de diabetes devem ser orientados a manter o peso normal, controlar a pressão arterial, não fumar, evitar medicamentos que potencialmente possam agredir o pâncreas e praticar atividade física regular. Já os pacientes com diabetes devem ser orientados a manter um bom controle da glicemia, seguindo corretamente as orientações dos profissionais de saúde, realizar exame diário dos pés, para evitar o aparecimento de lesões, manter uma alimentação saudável e fazer uso dos medicamentos prescritos e praticar atividades físicas.

Danilo acrescenta que o papel do profissional da saúde e da população que tem entendimento sobre o diabetes é apoiar, orientar e traduzir as informações em saúde para a linguagem do paciente, orientar quanto aos cuidados necessários, estilo de vida e facilitar as escolhas alimentares. “É imprescindível a presença profissional em todos os níveis de atenção em saúde para pessoas com diabetes. Diabetes ainda é considerada uma condição clínica que não tem cura, mas que tem tratamento. E bom tratamento! Quem seguir as orientações devidas, tende a ter uma vida mais saudável do que pessoas que não têm esse diagnóstico!”, finaliza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

publicidade

Related articles

Zé Torresmo: a junção dos prazeres da carne com a culinária caipira

A revista 61 Brasília participou do “soft opening” no sábado (2), do restaurante “Zé Torresmo”, localizado na CLN...

UDF oferece serviços jurídicos gratuitos para população

Docentes e alunos do curso de Direito fornecem atendimento das áreas cível, trabalhista e penal  O Centro Universitário do...

Ilustradoras negras lançam versão em quadrinhos de Quarto de Despejo

Lançamento marcará passagem dos 110 anos da escritora Escrito a partir das memórias da catadora de papel Carolina Maria...

Profissionais de saúde se mobilizam para atender casos de dengue no DF

Governador decretou emergência na saúde do Distrito Federal Em meio ao avanço da dengue no Distrito Federal – uma...