25.5 C
Brasília
sábado, abril 13, 2024

A cultura é alavanca de progresso e do pensar de um povo.

Date:

Share post:

A cultura é alavanca de progresso e do pensar de um povo.
A falta de compreensão dos governos quanto a importância da cultura prejudica o país e o impede de se estabelecer com competência, inclusive no contexto econômico.
Por meio da cultura proporcionamos ao povo sonhar, criar, interagir, se expressar, gerar empregos e renda, se educar, compreender a diversidade e reduzir a violência e os preconceitos.
Neste momento, que estamos buscando novos rumos para o país, precisamos investir mais na cultura, pois o projeto político que queremos tenta construir uma lógica de sociedade mais humana, com mais amor, mais respeito, com a inclusão de toda nossa diversidade.
É preciso levar o acesso à cultura a todas as classes sociais e a todos os locais de nosso país, bem como valorizar as diversas expressões culturais deste Brasil de dimensões continentais.
Para que isso aconteça é necessário intensificar o diálogo dos agentes culturais com outros setores como educação, saúde, ciência e tecnologia, bem como, com a comunicação, esporte, economia e turismo, ampliando a compreensão da sociedade sobre o seu papel como dispositivo de desenvolvimento.
Trata-se de um setor pouco privilegiado no orçamento. Atualmente é aportado 0,04% do orçamento na União na Cultura. Nos anos dos governos democráticos e populares, chegamos a ter o dobro de dotação. Mas precisamos chegar aos índices sugeridos pela Unesco de 1% do PIB. Esta realidade precisa ser modificada.
Os brasileiros não estão habituados aos programas de incentivo à cultura como o mecenato e empresas com interesses de marketing cultural se apoderam dos recursos, o que deixa projetos populares ou os mais experimentais de fora.
É urgente que o sistema de financiamento seja aperfeiçoado e desburocratizado. Assim como, aproximar o produtor do seu público, criando condições para que participem de um sistema de circulação com acesso a pontos públicos de exibição, avaliando resultados e estimulando a comunidade a desenvolver seu potencial, pela formação de públicos e preparação de profissionais.
O fortalecimento da gestão é fundamental. Implica recuperação do MinC, que sofreu várias ações de desmonte. É preciso descentralizar a gestão, valorizar o funcionalismo e tonificar as fundações, autarquias e o Fundo Nacional de Cultura.
O Ministério deve ter sua atuação nacional assegurada. Temos que garantir sua representação efetiva nos estados, assim como o fortalecimento da Funarte, Iphan, Ibram, Ancine, do Instituto Nacional dos Museus e das Fundações Biblioteca Nacional, Casa de Rui Barbosa e Cultural Palmares.
É o momento de pensar a construção de uma Política Nacional para Artes e Cultura, com a participação da comunidade artística, garantindo condições de pesquisa, desenvolvimento de linguagem e investimentos em criação. É importante criar fóruns para as interfaces com os diversos setores, definindo linhas que democratizem arte e cultura.
O investimento na cultura digital é outro ponto importante. A criação de telecentros comunitários, onde crianças e jovens possam interagir com realidades distintas das suas, contemplando aprendizado, jogos, pesquisas, trocas, conversas, relacionamentos e criatividade.
Temos que fomentar a construção de centrais de produção multimídia, que permitam a grupos organizados dominar novas tecnologias de comunicação e informação.
A revolução digital está modificando a forma de se pensar cultura, arte e comunicação, mas ainda está longe de grande parte da população. Esta exclusão perpetuará desigualdades.
Na transversalidade entre Cultura, Comunicação, Arte, Ciência e Tecnologia, há verdadeiros universos que demandam atenção, políticas e normatização, como é o caso dos desenvolvedores de jogos, que contam com o mercado milionário dos Gamers, em franca expansão.
O meio cultural e suas expressões constituem espaço decisivo para lutas voltadas às liberdades individuais, direitos civis, contra o racismo, misoginia, machismo, LGBTI fobia, intolerância e avanço de agendas conservadoras.
Nossa pluralidade tem que ser afirmada, conhecida e respeitada. A cultura é o modo de vida e expressão de um povo, elemento central e estratégico para o desenvolvimento.

Cristina Roberto  Cozinheira, empreendedora, ativista cultural e defensora da alimentação segura e saudável.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

publicidade

Related articles

Dia D de Vacinação no DF: Mais de 90 Pontos Disponíveis neste Sábado

Neste sábado, 13 de abril, mais de 90 pontos de vacinação estarão disponíveis no Distrito Federal, marcando o...

Brasília recebe parque temático DC Superpets para animais de estimação

Quem adora pets vai se encantar com um parque temático, a novidade é o Parque DC Superpets, situado...

Senadora Mara Gabrilli expressa preocupações sobre Consulta Pública da Anvisa relativa a bulas digitais de medicamentos

Entre elas, estão o possível enfraquecimento do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos e os prejuízos à população...

Novas leis penais: Mudanças na progressão de regime e uso da tornozeleira eletrônica

Presidente Lula sanciona legislação que impacta o sistema carcerário brasileiro Na quinta-feira (11), o presidente Luiz Inácio Lula da...