15.5 C
Brasília
sexta-feira, maio 24, 2024

Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados valida prisão de Chiquinho Brazão em meio a divisões partidárias

Date:

Share post:

Na última quarta-feira, dia 10, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados protagonizou um momento decisivo ao ratificar a prisão do deputado federal Chiquinho Brazão, cujo caso é entrelaçado com os intrincados e sombrios episódios relacionados aos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. A votação, marcada por intensos debates e expectativas, refletiu uma clara divisão entre os partidos políticos, com implicações que transcendem o âmbito jurídico e reverberam no contexto político nacional.

Dos 435 parlamentares presentes no plenário, 277 se posicionaram favoravelmente à manutenção da prisão, enquanto 129 votaram contrariamente e 28 optaram pela abstenção. Esta expressiva maioria pela continuidade da detenção de Brazão evidencia a força da argumentação que sustenta as acusações contra o político, bem como a intensa pressão pública e midiática que envolve o caso.

A votação evidenciou uma divisão significativa entre os representantes da bancada federal do Distrito Federal. Dos oito deputados da região, apenas dois parlamentares expressaram apoio à continuidade da detenção de Brazão, enquanto outros optaram por diferentes posicionamentos.

Os deputados Bia Kicis (PL-DF) e Alberto Fraga (PL-DF) votaram contra a manutenção da prisão do colega, que está atualmente detido na penitenciária federal de segurança máxima de Campo Grande. Enquanto isso, os deputados Fred Linhares, Gilvan Máximo e Júlio César, todos do Republicanos, não estavam presentes no plenário, juntando-se a outros 78 parlamentares que se abstiveram de votar.

Além disso, o deputado Rafael Prudente (MDB-DF) se absteve, acrescentando mais uma dimensão à dinâmica da votação. Enquanto isso, os deputados Professor Reginaldo Veras (PV) e Érika Kokay (PT) votaram a favor da manutenção da prisão.

A votação na CCJ representa apenas uma etapa no longo e complexo processo judicial que envolve Chiquinho Brazão. A decisão agora será submetida ao plenário da Câmara dos Deputados, onde novos debates e negociações políticas certamente surgirão, alimentando as incertezas e as expectativas em torno do desfecho deste caso emblemático que assombra o cenário político brasileiro.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

publicidade

Related articles

Cine Cultura Liberty Mall completa doze anos e faz promoção com ingressos a doze reais.

Dia 24 de maio, sexta-feira, os ingressos custarão doze reais em todas as sessões! Fundado há doze anos com...

Apresentações de quadrilhas juninas nas escolas e oficinas de maquiagem para grupos marcam o Giro Cultural

Com 68 apresentações juninas em escolas do Distrito Federal, ação realiza oficinas de maquiagem artísticas para espetáculos juninas Com...

Gama recebe duo com repertório erudito e brasileiro para concerto do 4º Festival Estação da Música

Duo Sanches Madalena interpreta compositores brasileiros como H. Villa-Lobos e clássicos internacionais O Festival Estação da Música Clássica promove...

Anna Tréa faz turnê pelo Brasil, depois de temporada na Europa

Foi durante uma viagem para acompanhar a turnê de Arringo Barnabé, que Anna Tréa se apaixonou por Barcelona. Anos depois,...