21.5 C
Brasília
quarta-feira, maio 22, 2024

E O SANEAMENTO, TEMOS?

Date:

Share post:

E O SANEAMENTO, TEMOS?

 

Brasília é a única unidade da Federação a tratar todo o esgoto que é coletado. Diariamente, no DF, são gerados 145,5 toneladas de carga orgânica. Dessas, 120,9 são coletadas e tratadas com a infraestrutura de gestão do esgoto. Outras 12 toneladas são coletadas em fossas individuais, e as 12,5 toneladas que sobram não passam por nenhum tipo de recepção. O Distrito Federal ainda deixa 17% da população fora desse sistema. De acordo com a Agência Nacional de Águas (ANA), são milhares de pessoas que moram em regiões com fossas sépticas ou com esgoto a céu aberto.

Considerando esse índice de carga orgânica não coletada, um cálculo simples revela que o DF atira mais de 4,5 mil toneladas de esgoto a céu aberto – ou em fossas não declaradas – por ano. Vergonhoso e preocupante, porque se na Capital do país essas são as condições atuais, imaginem o resto do Brasil. Visitei recentemente Nova Colina em Planaltina e esta questão do saneamento básico é a mais reivindicada pelos moradores, juntamente com segurança e saúde. Prover à população, água potável, redes de esgoto, energia elétrica, segurança pública é o mínimo que o governo deve fazer, porque, de fato, verba não falta. Sabemos que há recursos públicos para essa finalidade, o problema é que o governo investe mal e investe errado. A população do Morro da Cruz em São Sebastião, por exemplo, não tem ruas calçadas, sem nenhum saneamento básico, crianças sem escolas de qualidade, muita poeira e muita doença infectocontagiosa por conta do esgoto a céu aberto. Lamentável! O povo precisa e tem por direito, viver em uma cidade organizada, funcionando e com serviços de qualidade. Vamos integrar forças, trabalho e recursos para mudar.

Para conhecimento de todos, a rede de tratamento remove 83% da carga orgânica;  outros 8,2% são coletados em fossas,  os 8,6% que restam sequer são coletados. Enquanto a capital federal trata 83% desses resíduos, a média da região Centro-Oeste é de 48%, e do país, de 39%. Apesar dos índices de tratamento do esgoto no DF serem positivos, e bastante superiores à média nacional, é preciso expandir essas redes. O impacto ambiental gerado pela “carga remanescente”, que se refere ao esgoto que não é tratado, somado ao resíduo das fossas e da carga tratada, se entrasse em contato com os recursos hídricos causariam crescimento de algas cianofíceas que são tóxicas, e o ‘boom de algas’, por exemplo, no Lago Paranoá trariam doenças, verminoses e morte de peixes.

Algumas áreas dentro do DF, próximas ao Plano Piloto, entram nas estatísticas da utilização de fossas. Nessas áreas, 56,17% dos lares utilizam fossa séptica, e 38,83%, fossa rudimentar. Há, ainda, 42 domicílios expostos ao esgoto a céu aberto (0,17%). Regiões que nasceram e cresceram de forma descontrolada e desordenada, como por exemplo, Sol Nascente, parte de Vicente Pires, Arniqueiras, Sobradinho II e outras, que apesar de terem projetos de rede de esgotamento aprovados, ainda não viram tais benfeitorias saírem do papel. Temos que mudar a cara do saneamento na Capital da República. Vamos juntos melhorar, porque do jeito que está não dá.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

publicidade

Related articles

Anna Tréa faz turnê pelo Brasil, depois de temporada na Europa

Foi durante uma viagem para acompanhar a turnê de Arringo Barnabé, que Anna Tréa se apaixonou por Barcelona. Anos depois,...

Conheça três hábitos de limpeza que parecem eficientes, mas não são

Muita espuma não é sinal de limpeza e sabão em pó é prejudicial para pisos Existem muitos mitos sobre...

Capital receberá o primeiro Festival da Cachaça de Brasília

O evento será realizado de 22 a 26 de maio, no completo do Mané Mercado. Além da degustação...

Impactos positivos de shows e festivais para bares e restaurantes

Integração com público colabora com o aumento do faturamento, além de atrair visibilidade para as redes O mercado de...