24.5 C
Brasília
quinta-feira, junho 20, 2024

Exposição “Sanagê Pele e Osso” no Museu de Arte da Bahia

Date:

Share post:

Híbridos que transitam entre pintura, escultura e relevo formam a mostra que convoca o público a uma imersão na diáspora africana e na racial brasileira

O artista plástico Sanagê Cardoso desembarca em Salvador com sua exposição “Sanagê Pele e Osso”que ficará exposta no MAB- Museu de Arte da Bahia, de 11 de maio a 22 de junho. A mostra, que conta com a curadoria de Carlos Silva, já passou pelo Museu da República em Brasília, MAB- Museu de Arte de Blumenau, Centro Cultural Correio, MAMAM- Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães- em Recife e Espaço Cultural Correio em Niterói é um convite ao público a uma imersão estética e sensorial à questão racial e suas consequências na sociedade contemporânea brasileira e é resultado de mais de quatro anos de pesquisas de materiais e de texturas. 

Inicialmente, a linguagem é direta, pois cada uma das telas e o objeto escultórico se referem a alguns dos países africanos de onde saíram e por onde passaram homens, mulheres e crianças capturados e vendidos como escravos para trabalhar em fazendas e minas no Brasil.  

Sanagê pesquisa a espuma expandida, material muito utilizado na construção civil para assentar portais e batentes. Usado de forma bruta, cria volumes e texturas. “Num primeiro momento, há o encantamento com a matéria e suas possibilidades. Este é um dado fundamental para a construção da sua obra, pois é sobre a espuma expandida que se projeta seu exercício de produção contemporânea em arte”, afirma o curador. Expor na primeira capital brasileira, cidade com a maior população negra fora do continente africano e ainda mais no museu mais antigo da capital baiana, fundado em 1918, é a realização de um sonho para Sanagê. “Acredito que trazer essa mostra para a capital baiana será impactante porque todas as verdades da minha obra passam por Salvador, celeiro da nossa história escrava”, afirma o artista, que faz questão de destacar que a mostra é uma busca, de forma tímida, porém consistente, para despertar alguns desses fatos e momentos, trazendo luz a algumas questões que possam motivar a releitura de aspectos históricos importantes sobre o racismo no nosso país e no mundo, considerando que nada é definitivo. “Esta exposição é uma fagulha nesta proposta e entendimento da questão”, conclui ele.

Para a diretora do Museu de Arte da Bahia, Ana Liberato, “a exposição promove uma imersão na diáspora africana provocando importantes questionamentos acerca da desigualdade social que marca o país desde os tempos coloniais. Nada melhor que utilizar a arte para lançar protestos e provocar reflexões”, afirma a museóloga.

Foi a partir da experimentação à textura e cor de peles, ossos, fissuras e ligamentos, que o artista se aproximou de um tema que lhe é muito próximo: A diáspora africana e suas consequências. Se por um lado, o material se mostrou muito interessante para pensar estruturas invisíveis de um ponto de vista externo, por outro lado, nunca foi intenção de Sanagê fazer uma apropriação expressionista e explícita da condição básica da diáspora. Os mapas são regiões de circunscrições de uma experiência. 

Nesse lugar da experimentação, ele alcança a conjunção favorável de um trabalho com pé na pintura e um desdobramento imediato em relevo e escultura. As estruturas de espuma são rasgadas, serradas, quebradas e coladas entre elas e sobre a tela. 

Telas escultóricas, objeto escultórico e sala de exposição são pintados de branco. Ao optar pela cor que contém e reflete todas as cores, Sanagê conduz o visitante para uma experiência de espaço infinito.  “O branco é a presença diáfana que simboliza uma ausência de limites.   Porém, além de uma escolha estética, a cor também é política. Assim como as telas que contêm relevos e texturas que não representam os relevos ou acidentes geográficos dos países africanos, a cor também não ser refere a uma realidade. É uma provocação para a reflexão sobre passado, presente e futuro”, afirma o artista.

Serviço:

Exposição: “Sanagê Pele e Osso”

MAB– Museu de Arte da Bahia

Quando: 11 de maio a 15 de junho

Horário de funcionamento: Terça a sexta das 13h às 17h

                                           Sábado, domingo e feriados das 13h às 17h

Endereço: Av. Sete de Setembro, 2340, Corredor da Vitória

Telefone e redes sociais do Museu: (71) 311-76908, Instagram e Facebook- @museudeartedabahia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

publicidade

Related articles

Os Perigos da ansiedade crônica para a saúde cardiovascular

É fundamental compreender que a saúde cardiovascular está intimamente ligada à saúde física e mental do indivíduo. Atualmente...

Sucesso do Jantar Temático de Gastronomia Calabresa “SABOREIA A VIAGEM À CALÁBRIA”

Organizado pela *Monardo Café & Viagens*, que há 14 anos organiza tours eno-gastronômicos-culturais na Itália, em parceria com...

Ego e Ambição: Certeza de Destruição

Ego e ambição, quando descontrolados, são forças poderosas que podem levar à ruína. Essas duas características, muitas vezes...

É fato: por nós, só nós

Investir nos médicos e profissionais da saúde é investir na qualidade de vida de toda a população. Oferecer...