17.5 C
Brasília
sábado, maio 18, 2024

Emater presta assistência técnica a cerca de 120 escolas públicas por ano

Date:

Share post:

Emater presta assistência técnica a cerca de 120 escolas públicas por ano

Um dos espaços atendidos é o Centro de Ensino Especial 2, na Asa Sul, que atualmente funciona como exemplo para outras instituições

O programa Agricultura Urbana, da Emater-DF, funciona há cerca de dez anos e tem como principal alvo as escolas públicas da capital. Um dos espaços atendidos é o Centro de Ensino Especial 2, de Brasília, que atualmente funciona como exemplo para outras instituições.
O programa Agricultura Urbana, da Emater-DF, funciona há cerca de dez anos e tem como principal alvo as escolas públicas da capital. Um dos espaços atendidos é o Centro de Ensino Especial 2, na 612 Sul. Foto: Tony Winston/Agência Brasília

O programa Agricultura Urbana, da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF), funciona há cerca de dez anos e tem como principal alvo as escolas públicas da capital.

O objetivo é incentivar a segurança alimentar com a produção de orgânicos em hortas na cidade. São cerca de 120 escolas atendidas anualmente.

A empresa oferece assistência técnica para o manejo básico de hortas. A capacitação, com a visita de técnicos ao local atendido, envolve preparação do solo, tipos de irrigação, adubação e controle de pragas, por exemplo.

Por meio do programa, também são fornecidos adubos, sementes e ferramentas necessárias ao cultivo. São atendidos ainda centros de saúde, unidades de internação socioeducativa e entidades sem fins lucrativos.

Para solicitar assistência técnica, é preciso protocolar o pedido em um dos escritórios da Emater ou na sede do órgão, na Asa Norte. O ofício também pode ser enviado por carta, para o CEP 70.770-915. O documento deve conter o endereço, o tipo de horta e o público a ser atendido.

Na agrofloresta, diferentes produções nascem juntas, como na natureza, com uma espécie protegendo a outra

O Centro de Ensino Especial 2, na 612 Sul, tem uma das hortas escolares atendidas. Em uma área de aproximadamente 5 hectares, a escola mantém canteiros suspensos, viveiro e uma agrofloresta.

Diferentemente do pomar, na agrofloresta as produções nascem juntas. “É tudo misturado, como a natureza produz, um protegendo o outro”, explica o professor Antônio Francisco da Silva, responsável pela área.

Ele diz que já perdeu as contas de quantos itens cultiva no local, que tem banana, abacaxi, cana, feijão e uma variedade de outros alimentos.

O que é colhido na horta serve para a merenda dos alunos. O restante é vendido entre os docentes para ajudar a manter o trabalho no espaço.
O que é colhido na horta serve para a merenda dos alunos. O restante é vendido entre os docentes para ajudar a manter o trabalho no espaço. Foto: Tony Winston/Agência Brasília

Na quarta-feira (14), o colégio teve sua primeira Festa do Milho, só com comidas feitas à base do cereal, produzido no espaço desde o fim do ano passado.

O que é colhido na horta, o professor conta que serve para a merenda dos alunos. O restante é vendido entre os docentes para ajudar a manter o trabalho no espaço.

A área, que mistura brinquedos à natureza, ainda serve para desenvolvimento de trabalhos lúdicos dos alunos. “Com certeza isso ajuda no desenvolvimento deles e acalma”, avalia a professora Ana Cristina da Silva.

A horta do Centro de Ensino 2 ainda é visitada por alunos de outras escolas da rede, que passam o dia em atividades de educação ambiental. Além dos alimentos, Antônio ainda planta flores ornamentais. As sementes são compradas ou colhidas em viagens do professor.

Desde 2016, o lugar também serve de exemplo para outras instituições interessadas em começar trabalho semelhante. Professores e gestores inscritos em um curso do Centro de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação (Eape) vão até a horta para conhecer a iniciativa e se inspirar.

“É muito bonito esse trabalho de unir o sensorial à educação”Gerson Rodrigues, servidor do Jardim de Infância do 6º Comar

Gerson Rodrigues, de 47 anos, da área administrativa do Jardim de Infância do 6º Comar, é encantado com o projeto. “É muito bonito esse trabalho de unir o sensorial à educação”, opina. Ele ajuda a implementar uma horta no local onde atua inspirado no formato que conheceu lá.

Parte da produção vai para merenda dos alunos

Na Escola Classe 410 de Samambaia, o que não é utilizado na merenda escolar é doado para que os alunos levem para casa. O espaço também recebe o auxílio técnico da Emater e desde 2010 investe em educação ambiental.

São cultivados itens como alface, cebolinha e coentro. Outros tipos de gêneros, como feijão e mandioca, são plantados em atividades específicas de cada disciplina, para ajudar pedagogicamente no ensino de histórias relacionadas aos alimentos.

Neste ano, a escola começará o plantio de mudas alimentícias não-convencionais, como a ora-pro-nóbis. Rica em ferro, a planta também contém fibras e vitamina C.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

publicidade

Related articles

“Fim: O Último Espetáculo”

"Fim" é um monólogo intenso que nos leva ao turbilhão mental e emocional de um protagonista que está...

Sugar Daddies super exclusivos? Saiba mais

O aplicativo de namoro MySugarDaddy revela que no Brasil, existem mais de 140.000 Sugar Daddies Sugar Babies. A...

Blast Party: uma explosão de Pop Rock invade a Áudio Club, em São Paulo

Agora o festival acontece na capital de SP A Blast Party, um dos maiores festivais do País, agora chega...

Cromoterapia na arquitetura, como investir nessa tendência?

Cores pastel, suaves e calmas, estão em alta e são atemporais Se há um assunto que não decepciona e...