21.5 C
Brasília
quarta-feira, maio 22, 2024

Lugar de mulher é no Congresso Nacional

Date:

Share post:

Por Cristina Roberto

A maioria de nós cresceu ouvindo dizer que lugar de mulher é na cozinha. É também. Foi lá que trabalhei por muitos anos como cozinheira, para criar meus filhos. Foi na cozinha que aprendi a empreender, a ousar, a descobrir que colocavam veneno em nossos pratos e também onde comecei a sonhar com um país melhor. E sem veneno na comida, por exemplo.

Foi na elaboração de receitas que aprendi a fazer contas, a entender a política e perceber que alimentação é um ato político de empoderamento e de soberania nacional. Ampliei meus horizontes e a cada dia fica mais evidente que está faltando mulher nas estâncias decisórias, nos espaços de poder. O  Congresso precisa de mais, muito mais mulheres, para dar um toque especial, temperar melhor as nossas leis e assim começarmos a mudar o atual cenário de injustiças e desigualdades sociais no nosso país.

O Brasil ocupa a 32ª posição em um ranking de 33 países latino-americanos e caribenhos sobre a participação feminina em parlamentos. A nossa posição nesse ranking é uma vergonha para brasileiras e brasileiros, que é liderado por Ruanda, país africano, com 61,3% de parlamentares eleitas. Em segundo lugar vem a Bolívia, nossa vizinha,  com 53,1%. Cuba ocupa o terceiro lugar com 49% de mulheres em seu parlamento.

Não  custa lembrar  aqui que até em países onde as mulheres usam burca, elas estão mais presentes nos parlamentos do que nós brasileiras. Será que temos a liberdade que acreditamos? Que temos a  liberdade de escolha que imaginamos ter?

No Brasil, as mulheres conquistaram o voto há quase um século. Ao mesmo tempo, obtivemos o direito de  ocupar cargos legislativos, pois passamos a ter a prerrogativa de votar e de serem votadas. Atualmente, as mulheres representam mais da metade da população brasileira e do nosso eleitorado. No entanto, esses altos índices de população feminina não estão representados nas instâncias políticas institucionais. Apenas 10,5% das mulheres ocupam cadeiras na Câmara Federal.

A situação brasileira é inaceitável,  tendo em vista que há políticas de promoção da participação das mulheres nos espaços institucionais como cotas partidárias, destinação específica de parte do Fundo Partidário e maior presença no horário eleitoral gratuito. Esses mecanismos de incentivo à participação da mulher na política em contrapartida à sua baixa representatividade demonstra que a cultura machista continua forte nos partidos políticos. A pouca  visibilidade e o baixo investimento em candidaturas femininas reflete a predominância dos homens nas decisões partidárias e, em consequência na inexpressiva presença das mulheres na política. Precisamos alterar isso.

Apesar das dificuldades em mudar o quadro de desigualdade de gênero, há caminhos, é possível. A oportunidade para ampliar a participação feminina nas instâncias políticas foi fortalecida no momento em que a ONU publicou recentemente que uma de suas metas é a garantia da participação plena e efetiva das mulheres e a igualdade de oportunidades para a liderança em todos os níveis de tomada de decisão na vida política, econômica e pública. Precisamos trabalhar para tirar essa meta do papel.

O golpe parlamentar contra a presidenta Dilma Rousseff atingiu a todas nós mulheres, nos apequenou. Os direitos constitucionais, sociais, previdenciários e trabalhistas foram impactados. A ausência de investimentos do governo golpista  em Saúde, Educação, Assistência Social, além da desvalorização sistemática do salário mínimo e a reforma trabalhista, certamente, atingem principalmente a vida de milhões de trabalhadoras que dependem dos programas públicos nessas área. A população de baixa renda no Brasil esta desassistida nesse governo golpista. Houve um desmonte da rede de proteção e amparo aos mais pobres no país. Cabe a nós, mulheres, lutarmos para reaver as conquistas obtidas nos governos de Lula e Dilma.

É fundamental o enfrentamento a todas as formas de violência contra a mulher por meio da adoção de medidas preventivas, punitivas, de proteção e de atenção, assegurando  a plena aplicação da Lei Maria da Penha.  É preciso lutar, ainda,  pelo direito e garantia da saúde da mulher e pelo exercício pleno dos seus direitos sexuais e reprodutivos proporcionando a autonomia  sobre seu corpo.

Fortalecer e ampliar os mecanismos de participação popular e lutar por uma maior presença da mulher nos espaços de poder é fundamental para que a nossa sociedade se estruture sobre pilares sólidos.

Está faltando mulher no Congresso Nacional. Vamos à luta, mulheres!!!!

Cristina Roberto é cozinheira, empreendedora, ativista cultural e defensora da alimentação segura e saudável.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

publicidade

Related articles

Anna Tréa faz turnê pelo Brasil, depois de temporada na Europa

Foi durante uma viagem para acompanhar a turnê de Arringo Barnabé, que Anna Tréa se apaixonou por Barcelona. Anos depois,...

Conheça três hábitos de limpeza que parecem eficientes, mas não são

Muita espuma não é sinal de limpeza e sabão em pó é prejudicial para pisos Existem muitos mitos sobre...

Capital receberá o primeiro Festival da Cachaça de Brasília

O evento será realizado de 22 a 26 de maio, no completo do Mané Mercado. Além da degustação...

Impactos positivos de shows e festivais para bares e restaurantes

Integração com público colabora com o aumento do faturamento, além de atrair visibilidade para as redes O mercado de...