21.5 C
Brasília
quinta-feira, fevereiro 22, 2024

Nós estamos morrendo

Date:

Share post:

O texto abaixo foi escrito pela candidata a deputada federal Rayssa Tomáz e fala a respeito dos direitos das mulheres no Brasil

Nós estamos morrendo.

Não faço esta constatação baseada em conceitos filosóficos sobre a vida. Estamos sendo assassinadas. Ocupamos o quinto lugar no ranking do feminicídio mundial. Somos treze vítimas todos os dias. Temos mais de 4 mil processos na Delegacia da Mulher do DF. 1,2 mil mulheres são violentadas por mês em nossa cidade. Somos um dos recordistas no registro deste tipo de crime em todo o país. De ontem pra hoje, morremos três vezes. Estes dados podem parecer repetitivos, entoados dia a dia, como um mantra. Este é o nosso sofrimento em roupagem numérica.

Não dá mais. Não dá mais tempo.

Pelos cálculos estatísticos, a cada 7 minutos registramos ocorrências de violência contra a mulher. Só durante o tempo que eu escrevi o primeiro enunciado, duas mulheres podem ter sido agredidas. Elas são desconhecidas. Em sua maioria, vivem em situações de vulnerabilidade social mas isso me parece muito mais um disfarce social. A violência está em todas as camadas sociais, muito embora algumas se esforcem mais para jogar a sujeira para debaixo do tapete. Parecem estar distante da nossa realidade.

Temos dados alarmantes sobre violência no transporte público. Quase 90% das usuárias afirmam já terem sido abusadas ou terem sofrido situações de constrangimento. Não temos direito as cidades. Nossos trajetos são mais perigosos; podemos não voltar. Temos medo de andar pelas ruas. Que Estado de direito é esse que nos limita ao direito de ir e vir?

Se precisamos sobreviver, como poderemos prosperar?

Foto: Reprodução/Facebook

Meu pesar é por sabermos que existe uma tendência a menosprezar nosso pleito. Embora sejam visíveis os esforços dos governos em instituições para frear os casos de violência, ainda não chegamos no ponto primordial; precisamos ser combativos contra o machismo. Precisamos de uma cultura de paz, de convivência harmoniosa, de discurso propositivo. Precisamos combater a impunidade, precisamos de políticas positivas e estruturais. Precisamos de tecnologia aliada à segurança. Precisamos dos homens caminhando junto com a gente, lado a lado, contra o machismo que mata. O machismo mata mulheres. Necessitamos mais representação. Precisamos de um novo pacto social em que seja um pesar para todos enterrar de mais uma filha e mais uma mãe. Abracemos a ideia de que “O BRASIL NÃO TOLERA VIOLÊNCIA CONTRA MULHER”.

Parece histeria, não é? Mas imagine conviver com o medo de virar mais um número.

Quando lemos números, não conseguimos assimilar as realidades. Para a maioria de nós; estatística. Para os familiares e amigos, histórias de vida abruptamente encerradas. Elas devem sempre ganhar um nome e um rosto. Poderia ter sido eu ou você, mas foram Anne Mikaelly, Palloma Lima, Clésia Andrade e Ieda Rizzo Adriana Castro Rosa, Louise Ribeiro, Janaina Romao, Jessyka Laynara, Carla Grazyele, Marilia Jane e tantas outras.

A candidata a deputada Federal pelo PV, Rayssa Tomáz, aproveita a oportunidade para convidar para o Lançamento da Frente Suprapartidária Feminina hoje às 19h no auditório do IDP em Brasília. Na ocasião estarão presentes o governador do DF, Rodrigo Rollemberg, a Professora Fátima Sousa, a candidata Leila do Vôlei dentre outras 55 candidatas de 12 partidos diferentes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

publicidade

Related articles

Em evento do Lide Brasília, governador Ibaneis Rocha e secretário Ney Ferraz anunciam investimentos até R$ 6 bilhões*

Após fechar o ano de 2023 com superávit de R$ 2,6 bilhões nas contas públicas, o Governo do...

Ressaca de Carnaval com Adriana Samartini na Clube.Co

No dia 24 de fevereiro, sábado, o complexo esportivo localizado no Setor de Clubes Sul, promove um animado...

Atividades de verão: conheça cuidados necessários para a saúde da musculatura e articulações

O corpo exige atenção na prática de atividades físicas e esportivas para evitar desconfortos e lesões O verão é...

Gaza: Médicos Sem Fronteiras condena ataque israelense que matou duas familiares de um profissional da organização

Ataque a abrigo de MSF em Al-Mawasi, Khan Younis, também deixou seis pessoas feridas Médicos Sem Fronteiras (MSF) condena...