Símbolo da capital federal, Cine Brasília oferece programação diferenciada

Espaço na 106/107 Sul atrai um público cativo, que considera o local, além de símbolo da cultura no DF, um centro de convivência

Inaugurado um dia depois da capital federal, em 22 de abril de 1960, o Cine Brasília é mais do que uma sala para exibição de filmes. O espaço projetado por Oscar Niemeyer, além de um símbolo da cidade, é ponto de convivência e oferece ao público um pouco da atmosfera dos cinemas de bairro de antigamente, com uma programação diferenciada e de qualidade.

O Cine Brasília recebe também importantes festivais e mostras de cinema, entre eles o tradicional Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, que, neste ano, terá sua 51ª edição.

O local ficou fechado para reformas e reabriu as portas em 2013. Também virou a casa da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional de Brasília, que, desde 2017, ensaia e se apresenta todas as semanas ali.
Quem costuma assistir a filmes na sala do Cine Brasília diz que a experiência é diferenciada. O local é sede ainda de mostras de cinema internacional, de países como Argentina, Japão e Espanha, do Curta Brasília e do Festival Internacional de Cinema de Brasília (Biff).
Sérgio Moriconi, cineasta e programador do Cine Brasília

Na programação, há opções como as desta semana, quando o indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro, O Insulto, do diretor libanês Ziad Doueiri, é exibido com o clássico Acossado, de Jean-Luc Godard. São três a cinco produções em cartaz, sempre contendo uma estreia, segundo o programador da casa, Sérgio Moriconi. “É um cinema público, sabemos qual é a nossa função. Sempre exibimos muitos filmes que estão fora do circuito convencional. Há alguns que, se não fosse o Cine Brasília, você não veria de jeito nenhum”, afirma.

O público que frequenta o local aprova a programação e exalta aspectos como as proporções da sala e o ambiente, que se distingue das convencionais salas de shoppings. “A própria arquitetura, a sintonia com a cidade, o pé-direito alto. É um cinema que não se encontra em outras cidades. É bastante interessante, agradável, com ar de cineclube”, afirma o jornalista Paulo Lima, 56 anos. Ele destaca a qualidade técnica do som, da projeção e da dimensão da tela, que mede 14m por 6,5m.
Sergipano de Aracaju, o jornalista costuma ir ao Cine Brasília pelo menos uma vez por semana desde que se mudou para a capital federal, há dois anos. “Tem produção de todo jeito, mais atual e quente, alternativa, cult, histórica, clássica, em todas as suas vertentes. Ele é uma joia cultural de Brasília, que deve ser mantida, um espaço único.”

Cinéfila de carteirinha, a psicóloga Ana Paula Pinto Fernandes, 42,

costuma frequentar diversas salas da capital e de outras cidades que visita. Na opinião dela, o Cine Brasília é um orgulho para a cidade. “Eu frequento o festival desde que era adolescente. E tem também os festivais de cinema de outros países. Lembro que uma das últimas vezes que fui lá foi para um festival internacional de curta-metragem. Pude ver curtas da Espanha, da Suécia. É uma alternativa maravilhosa para a programação dos shoppings, que passam os filmes comerciais. Eu gosto do espaço lá, quase nunca tem fila e as poltronas são confortáveis”, observa.

Os eventos que ocorrem no local também contribuem para transformá-lo em centro de convivência. “Tem o ‘Sacolão’, que é uma feira de fotografia, por exemplo. É um espaço que vale a pena. Costumo ir pelo menos duas vezes por mês”, relata o arquiteto Caio Fiuza, 25. Frequentadora do local há anos, a atriz e produtora Cláudia Andrade concorda. Para ela, o espaço é ótimo não apenas pelo conforto, mas porque oferece uma estética diferenciada. “É como um cinema de bairro, você encontra pessoas conhecidas, é meio que um centro de convivência mesmo”, diz.

Formação

O Cine Brasília é considerado por cineastas e produtores como um lugar capaz de fomentar o interesse pela arte e levar o público a desenvolver um verdadeiro senso estético. “O Cine Brasília privilegiou uma programação de qualidade, não só os blockbusters, privilegiou a boa produção do cinema nacional, o caráter formativo para várias gerações tem o significado de formação de uma plateia, de um cinema mais aventuroso”, diz Moriconi.
O cineasta Santiago Dellape confirma a vocação do local. “Foi o primeiro contato com esse outro tipo de cinema, o cinema de arte, que era diferente do que eu assistia até então, mais comercial, da sala de cinema e da TV. Abriu as portas desse universo, do cinema que faz pensar. Antes de cogitar trabalhar na área, eu já frequentava (o Cine Brasília), nos festivais e fora deles também. Sempre considerei aquele lugar um templo, por onde passaram monstros sagrados do cinema brasileiro, faz parte da história”, conta. Os nove filmes produzidos por ele foram exibidos na sala, oito participaram do Festival de Brasília — sendo duas vezes da mostra competitiva e oito da Mostra Brasília (Troféu Câmara Legislativa).  “É um lugar em que você entra com respeito”, resume.
Fonte: CORREIO BRASILIENSE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *